Fredy Vieira / SANTANDER CULTURAL
Fredy Vieira / SANTANDER CULTURAL

Santander Cultural deverá fazer duas novas exposições sobre diversidade

Após polêmica com a mostra 'Queermuseu', instituição assinou acordo com o Ministério Público Federal; acusações de apologia à pedofilia, zoofilia e ofensas a símbolos religiosos eram falsas, segundo o MPF

O Estado de S. Paulo

11 Janeiro 2018 | 10h31

Em acordo com o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul, o Santander Cultural se comprometeu a realizar duas novas exposições sobre diversidade e direitos humanos.

O termo de compromisso foi assinado após investigação do MP sobre lesão à liberdade de expressão artística no caso Queermuseu. As acusações de apologia à pedofilia, zoofilia e ofensas a símbolos religiosos eram falsas, segundo o Ministério Público.

O Santander Cultural se comprometeu a patrocinar duas exposições sobre diferença e diversidade, que devem permanecer abertas por aproximadamente 120 dias.

+ Arte e sexualidade: fique por dentro do debate

Segundo comunicado do Ministério Público, em uma das novas exposições o centro cultural vai abordar a questão da intolerância a partir de quatro eixos centrais: gênero e orientação sexual, étnica e de raça, liberdade de expressão e outras formas de intolerância através dos tempos.

Uma outra exposição tratará sobre as formas de empoderamento das mulheres na sociedade contemporânea, assim como a diversidade feminina, incluindo questões culturais, étnicas e de raça, de orientação sexual e de gênero.

"Ambas as temáticas são altamente relevantes nos dias de hoje", afirmou o procurador regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), Enrico Rodrigues de Freitas, em nota. "A intolerância, em especial quanto às questões de gênero e orientação sexual, está diretamente ligada ao encerramento precoce da Queermuseu, então nada mais coerente do que debatê-la por meio de uma nova exposição. Já a mostra sobre o empoderamento feminino é outra perspectiva da questão de gênero, que igualmente temos que trazer à luz, inclusive sob o prisma da orientação sexual, e por meio do debate buscar evoluir."

Também ficou estabelecido no acordo que o Santander Cultural deve continuar com medidas informativas sobre eventuais representações de nudez, violência ou sexo nas obras que serão expostas, assegurando, assim, "a mais plena proteção à infância e à juventude".

Caso o acordo não seja cumprido, o Santander Cultural deve pagar uma multa de R$ 800 mil.

Mais conteúdo sobre:
QueermuseuSantander

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.