Saga de um ''letrado'' ex-traficante dos EUA

Ele aprendeu a escrever livros na prisão e, agora, tenta até se dar bem no cinema

Peter Duffy, The New York Times, O Estadao de S.Paulo

12 de maio de 2009 | 00h00

Em 1986, no auge da onda de consumo de crack em Nova York, Joe Reddick era um jovem traficante de 18 anos estimulado, segundo ele, pela "inveja, rancor e cobiça".Conhecido pelo seu apelido de rua, Black, Reddick realizava seus negócios no seu apartamento num pequeno edifício na University Avenue 1839, em Morris Heights, no Bronx. "Quando olho para ele, penso naqueles tempos", diz ele durante uma entrevista no pequeno parque na frente do prédio. "Era o meu escritório."Foi também sua inspiração. Reddick foi preso por tráfico de drogas. E foi na prisão que recordou seus dias na rua e escreveu várias novelas do gênero conhecido como literatura urbana, de rua, ou hip-hop.Até agora dois trabalhos dele foram publicados sob o pseudônimo de Joe Black: Street Team, uma história sobre a passagem para a idade adulta de quatro adolescentes traficantes de droga, e Squeeze, uma história mais divertida sobre um matador profissional chamado Tommy Gunz. Mas os livros editados em brochura, lançados pela Hampstead Publishing quando ele ainda estava na prisão, não venderam o suficiente para ele poder se sustentar agora que voltou para seu antigo bairro no Bronx.Depois de passar 15 anos atrás das grades, Reddick, hoje com 40 anos, ficou livre por 10 meses e vem lutando para se adaptar à vida fora da prisão. Foi despedido do emprego de auxiliar de pintura em dezembro. Agora ele voltou à escrita. Está revisando um romance que escreveu na prisão, intitulado Movin? Violation, que pretende publicar ainda este ano com seu próprio selo editorial. Depois quer se concentrar em dois outros romances e dois roteiros cinematográficos que estão quase concluídos.TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.