Ruth Cardoso: livro e mostra de fotos

Ex-primeira-dama, que morreu há um ano, ganha um retrato intimista de sua ex-aluna na USP, Margarida Cintra Gordinho

Lucas Nobile, O Estadao de S.Paulo

18 de agosto de 2009 | 00h00

Biografias apresentam dilemas e encruzilhadas para os autores, principalmente no que diz respeito à proximidade que eles possam ter com o biografado. Se, por um lado, a intimidade com o retratado permite ao escritor ter acesso a informações valiosas, por outro, o contato estreito entre os dois pode maquiar defeitos do personagem justamente pela falta de distanciamento entre ambos.Levando isso em consideração, a cientista social Margarida Cintra Gordinho prefere classificar seu Livro de Ruth, que chega hoje às livrarias, como um perfil de Ruth Cardoso. A escritora foi aluna da ex-primeira-dama na Faculdade de Ciências Sociais, na Universidade de São Paulo, no fim dos anos 1960 e trabalhou com ela no programa Comunidade Solidária e na Comunitas, entre 2002 e 2008. "O livro serve como base para outros estudos e biografias mais aprofundadas que poderão ser feitos", comenta Cintra Gordinho.A autora teve menos de um ano para escrever o livro. O convite, feito pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), instituição onde Ruth Cardoso foi membro do conselho diretor, surgiu em setembro do ano passado, com menos de três meses após a morte da ex-primeira-dama. Com ajuda da família presidencial, Margarida, que também entrevistou cerca de 50 pessoas, teve acesso a um vasto acervo de fotografias, documentos e informações pouco conhecidas do público, como a infância em Araraquara, o casamento com FHC, a vida acadêmica, a atuação na área social, sua atitude feminista até chegar ao Palácio da Alvorada.O livro, com prefácio do governador José Serra, faz um retrato fiel da trajetória de Ruth Cardoso, mas, justamente por não ter a profundidade minuciosa de uma biografia, acaba dando saltos cronológicos, com uma linguagem laudatória e relatorial. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que leu os originais do Livro de Ruth, vê a obra como uma homenagem. "A Margarida é uma pessoa sensível. O livro é veraz, feito com emoção. A família ficou satisfeita de ver a dedicação e o carinho. Certamente, não será a única, já existem outras biografias sendo preparadas", disse ao Estado o ex-presidente, por telefone.Pouco mais de um ano após a morte da ex-primeira-dama, Fernando Henrique Cardoso diz sentir saudade de tudo que viveu ao lado da companheira, cujo maior legado, na opinião dele, foi a simplicidade. "Fica um vazio imenso. Ela mostrou que as pessoas podem fazer coisas boas sem serem pretensiosas, com discrição. Eu não tenho medo da morte, faz parte da vida. Deste ponto de vista, é mais triste pra quem fica do que para quem vai", comentou Fernando Henrique Cardoso.O Livro de Ruth será lançado hoje, às 18h30, na Livraria Cultura (Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2.073), acompanhado de uma exposição com fotos inéditas da ex-primeira-dama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.