Finnish Customs via The New York Times
Finnish Customs via The New York Times

Rússia afirma ter recuperado obras de arte retidas na Finlândia

Segundo autoridades finlandesas, material é estimado em 42 milhões de euros

AFP, Agência

10 de abril de 2022 | 12h37

A Rússia informou neste sábado, 9, ter recuperado obras de arte valiosas que foram retidas na Finlândia após as sanções da União Europeia sobre a ofensiva na Ucrânia.

"Pinturas russas que estavam em exposições na Itália e no Japão estão em solo russo", disse o Ministério da Cultura. Segundo a pasta, três veículos com as obras de arte atravessaram a fronteira com a Finlândia e estavam a caminho de museus em São Petersburgo e Moscou.

A alfândega finlandesa apreendeu pinturas, estátuas e antiguidades em trânsito no caminho de volta para a Rússia de museus na Itália e no Japão, sob a suspeita de que eles infringissem as sanções da União Europeia.

O governo russo convocou o embaixador finlandês em Moscou, Antti Helantera, na quinta-feira e denunciou uma decisão "jurídica arbitrária".

Segundo as autoridades aduaneiras finlandesas, as obras foram estimadas, segundo os seguros, em um total de 42 milhões de euros.

As autoridades não explicaram quais foram as obras apreendidas, mas confirmaram que algumas pertencem ao famoso museu Hermitage, em São Petersburgo.

No sábado, o governo francês declarou que duas pinturas da coleção de Morozov, incluindo uma de um oligarca russo e outra de propriedade de um museu ucraniano, vão "ficar na França".

O primeiro quadro na França "enquanto seu dono, um oligarca russo, continuar sujeito a um congelamento de bens", disse o Ministério da Cultura francês, sem nomear seu proprietário.

O segundo, de propriedade do Museu de Belas Artes de Dnipropetrovsk, na Ucrânia, permanecerá na França "até que a situação no país permita que seja devolvida com segurança", afirmou.

Desde o início da operação russa na Ucrânia, em 24 de fevereiro, a UE adotou uma série de sanções contra a Rússia, incluindo a proibição de venda, transferência ou exportação de produtos de luxo (como obras de arte) para este país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.