Nair Benedicto/Divulgação
Nair Benedicto/Divulgação

Ruas da Vila Madalena recebem 34 exposições de fotografia

Grande destaque da Mostra SP, que vai até 11 de julho, é 'Fé Menina', da fotojornalista brasileira Nair Benedicto

Simonetta Persichetti, Especial para o Estado de S. Paulo

11 de junho de 2015 | 07h00

A partir desta quinta-feira, 11, a Vila Madalena se torna o bairro fotográfico de São Paulo. São 34 exposições e 81 profissionais que apresentam um panorama da fotografia brasileira, com organização e curadoria de Mônica Maia, Fernando Costa Netto, da Doc Galeria, promotora do evento e com a parceria do Alexandre Belém e Georgia Quintas do blog Olhavê!. Até o ano passado, a mostra era eminentemente paulistana, mas agora, em sua sexta edição, muda o foco e abre uma janela para todo o Brasil.

Dentro da Mostra SP de Fotografia, bares, restaurantes, lojas, muros e galerias vão exibir imagens até o dia 11 de julho e apresentar, entre conhecidos e novos autores, um panorama do que de melhor está se produzindo em termos de fotografia documental no País. Foram seis meses de pesquisa e de edição de trabalhos que foram enviados para a Doc Galeria, cujo fundamento foi o de “além de apresentar autores consagrados também trazer novos nomes e lugares da fotografia nacional”, afirma Mônica Maia.

O destaque da mostra, contudo, fica, sem dúvida, com a exposição Fé Menina, de Nair Benedicto, que ocupa a Imã Foto Galeria. Conhecida fotojornalista brasileira, e uma das primeiras a trazer em suas imagens a causa do feminismo, apresenta aqui, após criteriosa seleção de seu arquivo, uma ideia da força da mulher por meio da fé no sentido lato do termo. Outro destaque é a exposição de 10 novos talentos de até 35 anos selecionados pela galeria Nikon, por intermédio de uma convocatória nacional.

Ainda entre os destaques, a mostra de Allison Louback, fotógrafo e designer que desenvolveu um projetor autossustentável que coleta energia durante o dia e à noite projeta imagens no já imagético Beco do Batman, conhecido corredor de rua ocupado por grafiteiros, João Linneu também apresenta interessante painel composto por mais de 2.700 fotografias de janelas e fachadas cerradas de prédios, captadas durante sete anos na cidade de São Paulo.

Sua mostra Barril de Amontillado é apresentada pela primeira vez e nos remete às já conhecidas imagens do casal alemão Bernd e Hilla Becher, criadores da escola de Dusseldorf no pós-guerra e que influencia de forma bastante significativa a produção contemporânea. Com um olhar mais informativo, o grupo Jornalistas Livres apresenta um ensaio sobre a já tão discutida crise hídrica da cidade de São Paulo, em contraponto com a abundância de água da exposição Fronteiras e Deriva, do fotógrafo José Diniz, na qual o autor mergulha literalmente no mar e nos traz imagens com um olhar inovador.

E como junho é mês de festas juninas, a Doc Galeria aproveitou para comemorar seus três anos de existência criando uma corrente entre olhares fotográficos. Batizada de Coletiva Quadrilha, é uma homenagem aos fotógrafos brasileiros. São 20 profissionais e 20 imagens de uma corrente que se espalhou pelo Brasil todo. Um fotógrafo retratou outro à sua escolha. Entre eles Autumn, Bob Wolfenson, Dabdab, Cris Bierrenbach, João Wainer, Daniel Klajmic e Claudia Jaguaribe. Uma parede de olhares brasileiros.

E como o bairro é a Vila Madalena, não poderia faltar a gastronomia: dois food trucks ficarão estacionados na esquina das ruas Aspicuelta e Harmonia. Eles vão servir diferentes receitas criadas pelos chefs dos restaurantes Ruaa, AK Vila, Amuse Food Store e Le Jazz, além da pizza do truck Massa na Caveira. Programação completa está no site mostraspdefotografia.com.br/. 


Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.