Rouch, um cineasta entre a etnologia e o surrealismo

O Real ImaginadoMarco Antonio GonçalvesTopbooks240 págs., R$ 39 O subtítulo delimita o tema do antropólogo Marco Antonio Gonçalves: Etnografia, Cinema e Surrealismo em Jean Rouch. Trata-se de destacar a importância etnográfica do trabalho de Rouch, um dos mestres do cinema, que teve influência direta sobre a nouvelle vague, como atesta o próprio Jean-Luc Godard. Gonçalves analisa aqui a chamada "trilogia migratória" realizada na África: Os Mestres Loucos; Eu, um Negro; e Jaguar. Gonçalves, que é professor de Antropologia da UFRJ, usa uma abordagem que traz a obra de Rouch para perto das modernas teorizações antropológicas. Mostra como a ética e a estética da etnografia estão impregnadas de uma estética surrealista que Rouch usa como modelo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.