Robert De Niro, Meryl Streep e a difícil arte de amar

Em 1945, no começo de sua carreira, bem antes de que se transformasse no autor de épicos intimistas como A Ponte do Rio Kway e Lawrence da Arábia, o inglês David Lean fez uma história de amor que se tornou clássica. Desencanto (Brief Encounter), com Celia Johnson e Trevor Howard, conta a história de um homem e uma mulher, ambos casados, que se encontram, se sentem, atraídos, mas não consumam o adultério.Quase 40 anos mais tarde, em 1984, o cineasta norte-americano Ulu Grosbard retomou a vertente de Desencanto e fez quase uma refilmagem disfarçada. Em Amor à Primeira Vista, às 23h40 no Telecine Cult, Robert De Niro e Meryl Streep fazem personagens que se encontram todo dia no metrô de Nova York. Ambos moram no subúrbio e são casados, mas uma conversa aqui, outra ali vai sedimentando a relação.A questão é - ambos vão vencer suas resistências éticas e consumar a ligação? O filme é delicado, pudico, feito com riqueza de observações, mas não seria nada - talvez - se Meryl e De Niro não mergulhassem com tanta intensidade nessa dupla. O melhor que a atração da TV paga proporciona é justamente essa oportunidade de conferir o trabalho de dois grandes atores de cinema.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.