Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Matteo Berlenga/REUTERS TV
Matteo Berlenga/REUTERS TV

Restauradores salvam afrescos de Giotto em Capela da Madalena de Assis

Os afrescos retratam cenas da vida de Maria Madalena, incluindo uma na qual Jesus ressuscita Lázaro.

Matteo Berlenga / Reuters, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2020 | 09h32

Eles estão usando seringas medicas em Assis ultimamente, mas isso não tem nada a ver com a pandemia: os restauradores estão usando-as para salva afrescos inestimáveis de 700 anos de idade de Giotto.

Eles quase já concluíram o projeto que dura um ano para limpar e consolidar os afrescos da Capela da Madalena, situada na capela inferior da basílica de São Francisco de Assis, que abriga a tumba do santo do século 13.

Os afrescos retratam cenas da vida de Maria Madalena, incluindo uma na qual Jesus ressuscita Lázaro.

Vários anos atrás, durante um exame dos afrescos, o restaurador-chefe, Sergio Fusetti, ouviu sons ocos ao lhes aplicar batidas suaves, o que indicava que a argamassa que os segura estava se soltando lentamente das paredes.

Autoridades decidiram realizar a primeira restauração dos afrescos em quase 50 anos.

"Após a limpeza, fazemos a consolidação. Isto é realizado fazendo pequenos furos e usando uma seringa plástica... o mesmo tipo usado para injeções de remédios em nós mesmos. Injetamos um aderente de resina acrílica", explicou Fusetti.

"Depois, eliminamos a antiga miscelânea de restaurações anteriores que foram malfeitas ou feitas com argamassa. Nós as refazemos usando somente areia e cal e depois vamos à fase final, a estética, que é feita exclusivamente com aquarelas."

A basílica de Assis é um local de peregrinação para fiéis e também para artistas e estudantes de história da arte, já que contém cerca de 10 mil metros quadrados de afrescos de Giotto e outros mestres, como Cimabue, Simone Martini e Pietro Lorenzetti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.