John Thys/ AFP
John Thys/ AFP

Restauração revela surpresas espetaculares no quadro 'Adoração do Cordeiro Místico'

Obra foi pintada no início do século 15 pelos irmãos Van Eyck

AFP

20 Junho 2018 | 08h51

A Adoração do Cordeiro Místico, quadro pintado no início do século 15 pelos irmãos Van Eyck, revelou nesta terça-feira, 19, na Bélgica parte de seu aspecto original, "muito mais expressivo e intenso", segundo a equipe encarregada da restauração desta obra-prima da pintura flamenga.

** A longa odisseia de 'Guernica' até chegar à Espanha

É uma das etapas importantes do vasto trabalho de renovação empreendido no fim de 2012 pelo Instituto Real do Patrimônio Artístico (IRPA) sobre o célebre retábulo da abadia de São Bavão de Gante (noroeste da Bélgica).

Há alguns meses, este trabalho, realizado no museu municipal de Belas Artes, se concentrou em retirar partes repintadas na área central da obra, incluindo a cabeça do cordeiro.

O resultado desta etapa, apresentado nesta terça-feira à imprensa, revelou surpresas espetaculares, segundo os restauradores.

"A cabeça é muito diferente da que se conhecia desde o século 16. Trata-se de um cordeiro muito mais intenso, mais expressivo, que tem um contato mais direto com o público, com grandes olhos", explicou à AFP Hélène Dubois, chefe de projeto para o IRPA.

"Ignorava-se até que ponto este retábulo havia sido coberto por outras pinturas no século 16, e redescobrimos a arte original dos Van Eyck", afirmou a especialista.

** Museu V&A de Londres desconstrói personalidade lendária de Frida Kahlo

A obra de arte dos irmãos Hubert e Jean Van Eyck, inspirada em diversos episódios bíblicos, concluída em 1432, está inscrita no Patrimônio Mundial da Unesco.

A restauração completa de ambos os lados de seus 12 painéis articulados deve ser concluída até o final de 2019, disse Dubois, a tempo para o início de um ano de celebrações centradas nas obras de Jan Van Eyck.

 

Mais conteúdo sobre:
artes plásticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.