Resgate da dimensão humanista do marxismo

Socialismo e Democratização reúne os escritos políticos do húngaro György Lukács escritos entre 1956 e 1971 e traduzidos por Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Eles são uma amostra do pensamento do último Lukács (1885-1971), para quem era fundamental o acerto de contas com o dogmatismo teórico e o despotismo político do stalinismo. Fundamental porque a crítica ao stalinismo era a condição para restaurar o potencial crítico-analítico do marxismo, resgatando sua dimensão humanista e emancipadora. Lukács padeceu entre as décadas de 30 e 50, quando viveu sob censura na União Soviética e na Hungria. Seu esforço é para recuperar os nexos entre socialismo e democracia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.