Reparação

Um problema enfrentado pelo governo do Barack Obama o aproxima da América Latina: o que fazer com o passado? Investigar e punir crimes cometidos por outro governo ou deixar pra lá, para que o passado não complique o presente? Países como o Chile e a Argentina enfrentaram a questão. Nestes, os desmandos das suas ditaduras recentes pelo menos estão sendo discutidos. No Brasil, uma anistia preventiva impediu que se fizesse o mesmo. Nos Estados Unidos especula-se sobre até onde vai a culpa pelo ''interrogatório intensificado'', o eufemismo para tortura usado desde os tempos da gestapo, no combate do governo Bush ao terrorismo. O Baraca está sendo pressionado para publicar tudo que existe em papéis oficiais sobre a prática e seus mandantes, mas não parece muito entusiasmado com a perspectiva. O ex-vice presidente Cheney defende abertamente a tortura. Ele, mais gente como o ex-secretario de Defesa Rumsfeld e o próprio presidente Bush estariam entre os alvos de uma investigação profunda de responsabilidades, partindo da Casa Branca ou do Congresso. Pelo que se sabe, o objetivo principal dos primeiros interrogatórios intensificados era estabelecer uma ligação entre Al Qaeda e o regime do Saddam Hussein, o que fortaleceria os argumentos do governo Bush para invadir o Iraque. Cheney diz que a informação conseguida com a tortura impediu novos ataques terroristas aos Estados Unidos, mas a informação que mais queriam não apareceu. Não havia a ligação Al Qaeda/Saddam, assim como não haviam armas de destruição em massa no Iraque. Mas a invasão aconteceu assim mesmo. A tortura, no caso, era irrelevante.A comparação dos Estados Unidos com países da América Latina no mesmo dilema é superficial, claro. Obama não sucedeu a um governo ditatorial que tivesse suprimido os direitos civis, por pior que se considere Bush e sua gang. Mas é justamente a anomalia que representava a tortura num estado de direitos garantidos, a afronta aos tais valores americanos, que hoje reforça a pressão para que tudo seja investigado e punido, incomode a quem incomodar. É verdade que não deixa de haver uma certa hipocrisia nessa indignação retroativa à procura de reparação. Como lembrou, há dias, o Zuenir, durante muitos anos o exercito americano manteve em Fort Benning, no estado da Geórgia, uma Escola para as Américas, onde militares latino-americanos iam aprender táticas de repressão para enfrentar a ameaça comunista no hemisfério e onde métodos de interrogatíros não-convencionais, outro eufemismo, faziam parte do currículo. A escola ainda existe, mas mudou de nome. O outro ficara muito falado. Não sei se o currículo ainda é o mesmo, mas se o Baraca se animar também pode incluir este passado nas suas considerações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.