@banksy/ Instagram via Reuters
@banksy/ Instagram via Reuters

Renas voadoras de Banksy ressaltam sofrimento dos sem-teto no Natal

Obra de arte apareceu em paredão no centro da Inglaterra; visitantes acham que mural faz bem para a região

Ben Makori/ Reuters, Agências

11 de dezembro de 2019 | 11h59

INGLATERRA - O misterioso artista de rua britânico Banksy, chamou atenção para o problema das pessoas que dormem nas ruas, ao relento, em um mural sazonal que mostra duas renas voadoras puxando um sem-teto que está deitado em um banco, transformando-o em um trenó.

A obra de arte criada com o estilo de grafite característico de Banksy apareceu em Birmingham, no centro da Inglaterra, no final de semana.

Um vídeo publicado no Instagram do artista mostra um homem de barba chamado Ryan reclinado no banco, ecoando a imagem tradicional de Papai Noel em seu trenó.


Veja logo abaixo:


“Deus abençoe Birmingham”, escreveu Banksy. “Nos 20 minutos em que filmamos Ryan neste banco, transeuntes lhe deram uma bebida quente, duas barras de chocolate e um isqueiro — sem que ele pedisse nada”. O vídeo atraiu quase 3 milhões de visitas no Instagram nas primeiras 24 horas e causou alvoroço em Birmingham.

As duas renas ganharam narizes vermelhos nas horas que transcorreram após a revelação do mural. Uma cerca de proteção havia sido instalada nesta terça-feira, impedindo novos acréscimos na imagem.

Mercia Buddle, uma das muitas pessoas que visitaram o mural na última terça-feira, 10, disse que ele faz bem para a cidade. “Os visitantes estão vindo e provavelmente vieram de toda Midlands”, disse. “E é claro que é ótimo mostrar a real situação dos desabrigados, já que Banksy o filmou exatamente quando ele estava deitado no banco, então esse mural está tendo várias funções. Acho que é ótimo".

O valor das obras de Banksy, que nunca revelou sua identidade, vêm dispararando. Uma grande pintura de macacos sentados no Parlamento do Reino Unido foi vendida por mais de 12 milhões de dólares em outubro — um recorde pessoal do artista em leilões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.