Remorso que aparece depois do ato libertador

Os bacharéis que fundaram a República em 1889 sofreram com o remorso. Eles se revoltaram contra a própria atuação histórica, como se estivesse reeditando um complexo de Édipo na história, era a revolta de filhos contra pais. O carioca Luís Martins (1907-1981), jornalista, poeta e crítico de arte, recorre a Freud e Gilberto Freyre para montar a análise central de O Patriarca e O Bacharel, publicado em 1953. Martins retrata os homens que, após instaurarem o regime republicano, passaram a questioná-lo, defendendo até a monarquia e d. Pedro II, representante do patriarca conservador. Ele foi morto simbolicamente pelos filhos da sociedade patriarcal, que se remoem com o ato libertador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.