Relações entre governo, arte e ideias em Cuba

A chegada ao poder de Fidel Castro, mostra a autora, inaugurou período de interessante agitação política e artística em Cuba. Foi o momento em que surgiram novas instituições e publicações, "abrindo grandes possibilidades de trabalho aos intelectuais e artistas". Ao mesmo tempo, porém, afirma Silvia, as tensões entre o governo e os intelectuais passariam a aumentar com o tempo por causa da oposição entre o desejo de liberdade e a busca por experimentações e a política oficial do Estado. No livro, a autora procura desvendar esse aspecto da história cubana a partir da atividade da editora El Puente, que funcionou de 1961 a 1965, e do suplemento cultural El Caimán Barbudo, editado entre 1966 e 1975. Os Intelectuais Cubanos e a Política Cultural da RevoluçãoSilvia Cezar MiskulinAlameda, 304 págs., R$ 42

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.