Racionais ''chocam'' fãs com música romântica

Canção chega à internet e mostra o grupo, tido como raivoso e crítico, fazendo elogio da mulher brasileira

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2008 | 00h00

O maior, mais importante e influente grupo de hip-hop nacional desde o final dos anos 1980, os Racionais MC?s estão numa encruzilhada braba. Sua mais nova música, Mulher Elétrica, apresenta uma mudança de posicionamento - passaram do discurso político contra a opressão, a submissão e a marginalização para a elegia da mulher brasileira. Trecho e letra da música Mulher ElétricaImpensável em tempos recentes no repertório da banda, Mulher Elétrica, cantada pelo MC Mano Brown (codinome de Pedro Paulo Soares Pereira), chegou primeiro ao YouTube e tem causado reações extremas. Um maluco que assina Cafetaosp, beneficiado pelo anonimato da internet, chegou a ameaçar no fórum do YouTube: "Esse Mano Brown não passa de um vagabundo. Vai ter um fim pior do que o Sabotage (rapper paulistano assassinado em 2003). Vai tomar pelo menos 10 pipocos nessa cara de otário que ele tem. Sem contar que parece que ele tá cantando com um ovo na boca!" O comentário foi deletado anteontem.Um fã menos exaltado e mais racional, que assina Nathan Zinn, escreveu o seguinte: "O som tá bom, eu particularmente não gostei do refrão. Mas eu sabia que os Racionais não iam continuar falando só do social. Pelo discurso do Brown a gente percebe isso e eu acho ?manera? essa mudança. O rap caiu na mesmice de tiro, roubo blablablá. Eles não vão deixar de ser a voz dos esquecidos, mas também vão falar de assuntos particulares de cada um nas letras."Outro fã, que assina Maariicat, vai ao ponto que mais incomoda os admiradores antigos da banda. "Esse som é muito loko. Mas não combinou com Racionais. Os caras são monstros, e não servem pra cantar musiquinha romântica." Em entrevista ao Roda Viva, em 2006, Brown já dava uma pista da mudança de direção. "O cara da periferia ouve outros oito tipos de música além do rap, por que seria eu o responsável por ele agir de alguma maneira?" TrechoEla chega, ela olha, ela bate um flash, ela invade a pista e ninguém se mexe. Ela dança, ela ri, ela quer curtir, quer amar, quer beijar quer se divertir. (...) Ela é Dolce & Gabbana, ela é Louis Vuitton, ela é Madureira, ela é Kingston, ela é Barra Funda, ela é Bela Vista, reflete no globo ilumina a pista. Ela é preta na cor loira no cabelo, ela é uma hora e meia em frente ao espelho. Ela é Naomi, ela é Clara, é Nunes, é Donna Summer, Rosa, é Sônia, é Tereza, é Ana, é Glória, é bem Brasil, me engana que eu gosto. Ela tem tristeza balança o swing rara beleza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.