Quincas Berro d?Água sai do papel rumo à tela

Sérgio Machado inicia, em Salvador, as filmagens da obra de Jorge Amado

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2009 | 00h00

Desde que terminou sua participação na minissérie Alice, da HBO, que codirigiu com Karin Aïnouz, Sérgio Machado se instalou em Salvador, de volta às origens - é baiano -, para preparar as filmagens de Quincas Berro d?Água. Foi mais de um ano de preparativos - exatamente, um ano e dois meses. Na sexta passada, as filmagens finalmente começaram. Na primeira cena filmada, Marieta Severo, como Manuela, a prostituta ?espanhola? do Pelourinho, sobe na torre e ameaça se jogar, ao saber da morte de Quincas. Sérgio Machado admite que nunca se preparou tanto para um filme. Mas ele também reconhece que nunca fez nada tão grande. "Quincas é o dobro de Cidade Baixa", ele resume, referindo-se ao longa precedente.Quincas, que será distribuído pela Buena Vista, é a primeira parceria da Videofilmes com a Globo Filmes. Não apenas seu orçamento é mais elevado que o de Cidade Baixa - o dobro, R$ 6,5 milhões -, como o novo filme multiplica por dez os personagens de Wagner Moura, Lázaro Ramos e Alice Braga no anterior e o número ainda não dá conta da quantidade de figuras importantes da trama. Quincas é Paulo José, Manuela é Marieta e também estão presentes Mariana Ximenes, Vladimir Brichta, Milton Gonçalves e muitos outros. "Fiz dezenas de testes para selecionar o elenco", resume o diretor, que entrevistou astros, estrelas e também gente desconhecida, mas talentosa, todo mundo buscando um papel na adaptação do romance de Jorge Amado. Como sempre, Machado fez um trabalho de preparação do elenco - com Fátima Toledo."São atores de várias procedências e eu tenho aqui muitas cenas de ação, de lutas. Fátima me garante uma unidade antecipada de interpretação, e isso é fundamental para mim." Adaptar Quincas Berro d? Água era um sonho antigo do diretor. Sua admiração por Jorge Amado beira a devoção. "Ele foi um verdadeiro pai para mim. Quando lhe mostrei meu primeiro curta, Jorge botou fé no meu trabalho. Foi quem me apresentou Walter Salles. Jorge foi uma figura tão referencial em minha vida que dei o nome dele ao meu filho." Não faz muito tempo, Sérgio Machado foi convidado a escrever um texto sobre Jorge Amado - e Quincas - numa revista especializada de literatura. Houve uma enquete para determinar a obra-prima do escritor e Quincas saiu vitorioso.É o maior romance do escritor, embora outros possam ser mais populares - os casos de seus perfis de mulheres, Gabriela, a de cravo e canela, e Tieta, a do agreste. Da mesma estatura de Quincas, só Os Velhos Marinheiros, que Ricardo Bravo, diretor de Oriundi, com Anthony Quinn, queria filmar (e com o astro de Hollywood, também apaixonado pelo livro). "Tenho a impressão de que tudo o que fiz antes me trouxe a Quincas", diz Machado. Por ?tudo?, ele quer dizer o documentário Onde o Mundo Acaba, sobre Mário Peixoto, o lendário autor de Limite, e a ficção Cidade Baixa. No centro do romance está o tema da morte e Machado admite sua dificuldade para lidar com o assunto."Sei que a morte é inevitável e não me assusta tanto a ideia de que vou morrer. O que me angustia é a morte dos outros, a possibilidade de perda das pessoas queridas. Lido muito mal com isso", conta, com toda honestidade, o diretor. A Morte e a Morte de Quincas Berro d?Água surgiu em 1958, misturando sonho e realidade num relato nitidamente imbricado no realismo mágico. Conta a história de Joaquim Soares da Cunha, que foi funcionário público, pai e marido exemplar até o dia em que se aposentou do serviço público. A partir daí, jogou tudo para o alto - tradição, família, respeitabilidade e caiu na malandragem, no alcoolismo e na jogatina, trocando a vida familiar pela convivência com prostitutas, bêbados, marinheiros, jogadores e pequenos meliantes e contraventores da ralé de Salvador. Joaquim, agora Quincas, torna-se respeitado e admirado entre seus novos companheiros de infortúnio. É o pai, o sábio, o conselheiro, sempre disposto a mais uma farra ou bebedeira. Quando morre solitário, os amigos, bêbados, resolvem levar o defunto para um último ?giro? pelo baixo-mundo. O passeio passa por bordéis e botecos, terminando num saveiro, com muitas mulheres e comida. Ocorre uma tempestade e o corpo de Quincas cai no mar.Sérgio Machado sempre gostou de trabalhar com storyboard, desenhando as cenas a serem filmadas. Para Quincas, ele encontrou um programa de internet que lhe permite passar o filme todo em terceira dimensão. A isso, somou um calhamaço de anotações muito detalhadas que compõem o que, no jargão da produção, é chamado de ?livrão?. É a bíblia no set. Tantos preparativos não impediram que, na quinta-feira, um dia antes do início da filmagem, Machado admitisse estar com um ?friozão? na barriga. "É muita coisa. Cenas de ação, brigas, efeitos." O saveiro já está pronto e a ?tempestade? foi planejada nos mínimos detalhes. Com tantos preparativos, ele não corre o risco de o filme ficar engessado? "Eu me preparo muito, mas paradoxalmente é assim que me sinto livre para poder improvisar", esclarece o diretor. Que Livro É Esse? Em 1992, comemorando os 80 anos de Jorge Amado, o crítico José Paulo Paes escreveu no suplemento Cultura, de O Estado de S. Paulo, um texto celebrando A Morte e a Morte de Quincas Berro d?Água, de 1959, como ?a festa profana da literatura brasileira?. Considerando o livro um marco da segunda fase da ficção do autor, iniciada um ano antes com Gabriela Cravo e Canela, o crítico vê na sua história uma exaltação carnavalesca dos excessos de sexo e bebida, como forma de recusa da respeitabilidade burguesa. Ao começar nas letras, Amado colocava no futuro uma utopia ideológica - a tomada do poder pelos excluídos. Em Quincas, ela vira utopia lírica voltada para o aqui e agora do povo como fonte permanente dos valores. Nelson Pereira dos Santos, que adaptou Tenda dos Milagres e Jubiabá, sonhava com a adaptação de Quincas. Generoso, Nelson deve estar torcendo por Sérgio Machado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.