Quem saiu de cena

A maior perda física para a música brasileira em 2008 foi a morte do mestre Dorival Caymmi, aos 94 anos. Ficou a obra genial do compositor que nunca tornou pública uma canção ruim (talvez tenha sido o único). Aos 95 anos, outra grande voz do samba também se calou no Rio de Janeiro em junho: Jamelão, um dos intérpretes mais significativos de Lupicínio Rodrigues. Uma das cantoras mais afinadas e doces da era do rádio, a mineira Zezé Gonzaga morreu em julho, aos 81 anos. Da ala dita "popular", foi-se o grande ídolo Waldick Soriano, aos 75 anos, que teve seu auge nos anos 70. Sylvinha Araújo, revelada nos tempos da jovem guarda, foi vencida pelo câncer aos 56 anos.Aos 90 anos morreu em Paris o compositor e cantor Henri Salvador, que tinha fortes vínculos com o Brasil. Dans Mon Île, um de seus clássicos, de 1957, teria influenciado Tom Jobim no surgimento da bossa nova. A música negra internacional perdeu quatro figuras de grande importância: o cantor e compositor de soul Isaac Hayes (65 anos), autor do famoso tema do filme Shaft; o guitarrista e cantor de blues Bo Diddley (79 anos), um dos pioneiros do rock; a cantora folk Odetta (77 anos), americana como Hayes e Diddley, que influenciou gente como Bob Dylan; e a cantora sul-africana Miriam Makeba (76 anos), a "Mama África", que ganhou fama internacional com o hit Pata Pata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.