Quem come quem

Em inglês, francês, espanhol, italiano, alemão ou japonês não existe uma expressão equivalente a "comer", significando relação sexual. Só em português, mais especificamente "em brasileiro".Aqui, o macho predador não faz amor ou apenas sexo: devora a sua presa. Mas depois do feminismo, as brasileiras modernas também adotaram a expressão para suas conquistas. Surpresos e intimidados, os homens ouviram a temida e desejada ameaça: vou te comer!Certamente esta expressão tão brasileira está em sintonia com o conceito de "antropofagia cultural", lançado por Oswald de Andrade em 1928 e retomado no transe de 1968. Na época, acreditamos fervorosamente que o nosso destino e vocação - desde 1556, quando o bispo Sardinha foi comido pelos caetés - era devorar a cultura colonizadora, digeri-la e transformá-la em brasileira e revolucionária.Em 2008, no mundo globalizado e interligado, com as culturas nacionais interagindo e se misturando, com a fusão de linguagens e gêneros, com os samplers, a computação gráfica e todas as maravilhas da era da informação e das comunicações, não há nada mais anacrônico do que a idéia de antropofagia cultural. Porque hoje qualquer cultura nacional come e é comida, querendo ou não: a "antropofagia" é inevitável e óbvia. Quanto tempo perdido teorizando sobre Villa Lobos ou Tom Jobim "comendo'' Bach, Debussy ou Cole Porter para produzir uma música brasileira internacional. Ou Niemeyer degustando Le Corbusier para inventar a arquitetura moderna. Ou Nelson Rodrigues mamando em Dostoievski para criar uma dramaturgia tijucana e universal. A pobre cultura nacional, provinciana e colonizada, ou "antropofágica e antiimperialista", não tem nada com isso: os méritos são exclusivamente do talento individual desses raros criadores nativos. Poucos acreditaram tanto nesta bobagem de "antropofagia" como eu. Levamos a sério a piada do velho Oswald, por ela aceitamos muita empulhação. Quantas vezes diverti amigos estrangeiros, embora falasse a sério, exaltando essa esdrúxula teoria como um diferencial da arte brasileira. Como se pode ser tão bobo tanto tempo?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.