Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Reprodução/Instagram da Menzies Art Brands
Reprodução/Instagram da Menzies Art Brands

Quadro de Whiteley é vendido por US$ 4,6 mi e quebra recorde australiano em leilão

'Henri’s Armchair' é um retrato caótico da Baía de Sydney e foi arrematado por 6,25 milhões de dólares australianos (o equivalente a 4,6 milhões de dólares)

Byron Kaye, Reuters

30 de novembro de 2020 | 10h30

Uma pintura do famoso artista australiano Brett Whiteley foi vendida em um leilão por 6,25 milhões de dólares australianos (o equivalente a 4,6 milhões de dólares), estabelecendo um novo recorde no país e sublinhando o apelo dos investimentos em arte em meio às incertezas da pandemia de coronavírus.

Henri’s Armchair é um retrato caótico da Baía de Sydney com um ponto de vista alongado visto através das janelas da casa de Whiteley na Baía de Lavender de Sydney. Ele foi vendido pelo pintor ao advogado Clive Evatt em meados dos anos 1970 depois que Whiteley recusou um pedido da galeria estatal que encomendou a peça para que ele tirasse da pintura uma caixa de fósforos que insinuava uso de drogas.

O preço de venda, que superou um recorde anterior, reflete como, para aqueles que têm dinheiro para gastar, bens de luxo são um porto seguro agora que as viagens e a socialização estão praticamente fora de alcance.

“Estar em casa, olhar para as quatro paredes mais do que se está acostumado, colecionar arte ganhou espaço, e vimos muito mais lances”, disse Coralie Stow, executivo-chefe da Menzies Art Brands, que organizou a venda.

“É em parte pessoas querendo uma válvula de escape que é criativa, que está enfatizando suas vidas, quando estão restritas em tantas outras coisas que gostariam de fazer.”

O preço também confirma a importância do período Baía de Lavender de Whiteley, no qual começava a ganhar fama e buscou refúgio em uma casa onde poderia aperfeiçoar seu ofício em um tema, o porto, ao invés de buscar uma nova inspiração.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.