Don Emmert/ AFP
Don Emmert/ AFP

Quadro de Picasso é retirado de leilão por 'danos acidentais'

A Christie's não deu mais informações sobre o incidente, nem da magnitude do dano produzido na tela

AFP

14 Maio 2018 | 16h40

Um autorretrato de Pablo Picasso, cujo valor estimado chegava a 70 milhões de dólares e que seria leiloado na terça-feira, 15, em Nova York, foi retirado por "danos acidentais" - informou a casa de leilões Christie's.

Estava previsto que a obra Le Marin (O marinheiro), pintada em 1943, seria o ponto alto da venda de arte impressionista e moderna da Christie's. Segundo a imprensa americana, o quadro pertence ao ex-magnata dos cassinos Steve Wynn. É a segunda vez que ele tem um de seus quadros danificados.

A empresa de leilões disse que o acidente aconteceu na sexta-feira, 11, "durante a fase final de preparação".

"Depois de consultar o consignador, a pintura foi retirada da venda da Christie's de 15 de maio para permitir o começo do processo de restauração", acrescentou a companhia.

A casa de leilões não deu mais informações sobre o incidente, nem da magnitude do dano produzido na tela.

** 'Guernica' pode esconder autobiografia de Picasso, diz estudo

Durante a campanha de promoção da venda, a Christie's destacou a importância da obra no mercado.

Este não seria o primeiro caso de um Picasso de Wynn danificado. O magnata estragou com o cotovelo a obra Le Rêve (O sonho), pintado em 1932, em evento com convidados em Las Vegas. A pintura foi restaurada e depois vendida por 155 milhões de dólares.

Na quinta-feira passada, a Christie's vendeu Fillette à la corbeille fleurie (Jovem com uma cesta de flores), de 1905, por 115 milhões de dólares, o segundo valor mais alto em leilão que se paga por uma tela de Picasso.


 

Mais conteúdo sobre:
Pablo Picasso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.