EFE/EPA/Facundo Arrizabalaga
EFE/EPA/Facundo Arrizabalaga

Quadro de Banksy parcialmente autodestruído volta a ser leiloado

A obra, agora intitulada 'Love is in the Bin', tem preço estimado em US$ 6 milhões

AFP, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2021 | 11h52

Um quadro do misterioso artista de rua britânico Banksy, que foi parcialmente rasgado momentos depois de ser vendido em um leilão em 2018, voltará a estar sob o martelo no próximo mês - anunciou a casa de leilões Sotheby's nesta sexta-feira, 3. 

A obra de arte - que agora se chama Love is in the Bin - será colocada à venda em Londres em 14 de outubro, com um preço estimado de entre US$ 6 milhões e US$ 8 milhões.

Originalmente intitulado Girl with Balloon, o quadro foi vendido por quase 1,1 milhão de libras há quase três anos e, agora, o colecionador que o comprou o traz de volta ao mercado.

Para a surpresa de todos os presentes, o quadro passou por um triturador escondido na grande moldura de estilo vitoriano que o protegia, momentos depois de terminar o leilão, destruindo parcialmente a obra e assombrando o mundo da arte. 

Esta chocante iniciativa foi orquestrada pelo irreverente Banksy, cuja identidade é conhecida apenas por poucos amigos.

"Naquela noite surreal há três anos, me tornei o proprietário acidental - mas muito privilegiado - de 'Love is in the Bin'", lembrou o colecionador, citado em um comunicado da Sotheby's. "Foi uma viagem incrível ter feito parte da história de como surgiu uma das obras de arte mais famosas do mundo, mas agora chegou o momento de me desapegar dela."

O quadro parcialmente destruído, que foi exibido durante um mês em um museu da cidade alemã de Baden-Baden em 2019, representa uma menina que solta um balão vermelho em forma de coração. Tornou-se uma das obras mais conhecidas de Banksy.

A tela será exposta ao público na sede da Sotheby's em Londres por dois dias a partir de sábado, 4, antes de embarcar em turnê mundial por Hong Kong, Taipei e Nova York. Depois, retorna para a capital britânica. 

Na opinião do presidente de arte contemporânea da Sotheby's, Alex Branczik, a ação de Banksy "não destruiu uma obra de arte ao rasgá-la. Na verdade, a criou". "Hoje em dia, esta peça é considerada herdeira de um venerado legado de arte antissistema", acrescentou, classificando-a como "a obra de arte de Banksy por excelência e um verdadeiro ícone da história da arte recente".

Esta espetacular autodestruição foi a mais recente de uma longa história de movimentos imprevisíveis do artista de rua inglês. Banksy ficou famoso pelos seus grafites antissistema, geralmente satíricos, em prédios do Reino Unido e ao redor do mundo. Suas últimas obras apareceram recentemente em várias cidades costeiras britânicas. 

Em março, um de seus quadros, produzido em homenagem aos profissionais de saúde durante a pandemia de coronavírus, alcançou o valor recorde de US$ 20 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
BanksySotheby'sleilãomuseu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.