Pró-reitor nega interferência na escolha de maestro

Segundo membros da Osusp, músicos teriam sido excluídos do processo

João Luiz Sampaio, O Estadao de S.Paulo

05 de dezembro de 2008 | 00h00

A Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP rebateu, em nota oficial divulgada na quarta-feira, denúncia dos músicos da sinfônica da universidade. Segundo eles, a universidade estaria desrespeitando o regimento interno do grupo ao não permitir aos músicos participação no processo de escolha. A Pró-Reitoria afirma, porém, que não fez nada que pudesse ferir "os princípios regimentais e estatutários da universidade".Segundo o regimento, o processo de seleção se dá da seguinte forma: os candidatos ao cargo enviam à universidade seus projetos de gestão artística e administrativa da orquestra; os músicos avaliam os projetos enviados; o pró-reitor de Cultura convoca os músicos para a elaboração de uma lista tríplice, a qual é feita a partir dessa prévia avaliação; a lista tríplice é então enviada ao conselho deliberativo da orquestra e esse conselho escolhe, entre os três, o nome do regente titular e diretor artístico.De acordo com os músicos, a universidade teria anunciado que a escolha seria feita exclusivamente pelo pró-reitor. Em sua nota oficial, a Pró-Reitoria não nega a afirmação. "No que diz respeito à designação do novo diretor artístico da Orquestra Sinfônica da USP, esse processo envolve questões de natureza legal e administrativa relacionadas ao Regimento da Osusp. Os trâmites referentes a essas questões estão em andamento junto à Consultoria Jurídica da Universidade, no que concerne às medidas a serem adotadas nesse caso. Sanadas as pendências, a escolha do novo diretor artístico se dará de acordo com o que consta no artigo 6º, inciso VII, do Regimento da Orquestra Sinfônica da USP: ?Ao Conselho Deliberativo compete designar o Diretor Artístico e Regente Titular a partir de lista tríplice elaborada pelos músicos da Osusp.?"No que diz respeito ao diretor administrativo da orquestra, a nota oficial afirma que, segundo o regimento, "o diretor e o vice-diretor da Osusp são designados pelo pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária, devendo a escolha recair sobre membros docentes da Universidade, portadores, no mínimo, de título de doutor". Ainda segundo nota oficial, a universidade estaria estudando mudanças para "aprimoramento" do regimento, com participação de um representante da orquestra. Não foram informadas, no entanto, quais seriam essas mudanças."Os canais de comunicação com os músicos continuam abertos, assim como sempre estiveram e, em momento algum, houve por parte da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária um posicionamento que impossibilitasse o diálogo com o conjunto dos músicos ou com seus representantes", termina a nota, assinada pelo pró-reitor prof. dr. Ruy Alberto Corrêa Altafim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.