Poucos se rendem ao charme cromado do Neon Neon

Chuva e ingresso caro podem ter assustado fãs de Gruff Rhys e Boom Bip, que ofereceu noite sem surpresas à minguada platéia

Marcus Vinícius Brasil, O Estadao de S.Paulo

25 de outubro de 2008 | 00h00

O pop dos anos 80 brindou com o hip-hop underground na noite de anteontem, no Parque do Ibirapuera. A proeza foi conquistada pelo Neon Neon, projeto de Gruff Rhys e Boom Bip, atração da tenda Novas Raves do TIM Festival. Ambos subiram ao palco diante de um público minguado, fosse pela chuva ou pelos ingressos vendidos a R$ 150. Apesar do som do Neon Neon soar basicamente eletrônico em seu álbum, Stainless Style, a banda se apresenta com baterista, teclados e contrabaixo imitando o design futurista de John DeLorean - engenheiro de carros que inspira as letras das músicas. O show não surpreendeu quem já conhecia o disco do grupo. Assim como em seu trabalho de estúdio, a apresentação foi aberta com a instrumental Neon Theme e encerrada ao som da fúnebre Stainless Style, sobre a morte de DeLorean.O espírito retrô (quase brega) de músicas como Raquel e Michael Douglas transbordava pelo palco. Do teclado em formato de guitarra até o timbre açucarado da voz de Cate Le Bon - convidada para cantar em I Lust U -, o grupo não deixa dúvidas do porquê ser um dos símbolos do revival dos anos 80 na música alternativa.Outras colaborações que aparecem no álbum fizeram falta no show. Entre elas, a das rappers norte-americanas Yo Majesty. A dupla canta na lasciva Sweat Shop e estava cotada para se apresentar no TIM Festival, mas acabou entrando para o rol de artistas que cancelaram sua vinda ao evento.Enquanto a apresentação em um geral não passou do morna, o convidado Har Mar - um sujeito baixinho vestindo luvas de paetê - roubou a cena. Fez malabarismos, cantou de cabeça para baixo em Trick for Treat e desfilou exibindo a barriga pálida, para o delírio do público. Rhys e Bip terminaram o show sozinhos, improvisando uma fanfarra eletrônica. Mas mesmo com os derradeiros berros de Rhys ao microfone, foram poucos os que se renderam ao charme cromado do Neon Neon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.