Portugal antes de chegar a nós

Lusa - A Matriz Portuguesa apresenta a cultura lusitana desde a pré-história

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

17 de junho de 2008 | 00h00

A palavra ''cama'', de origem lusitana, é usada há cerca de dois mil anos, como diz Marcello Dantas, idealizador da mostra Lusa - A Matriz Portuguesa, inaugurada hoje para o público no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. A palavra sobreviveu à influência do latim e, utilizada até hoje nos países de língua portuguesa, ela se transformou num dos pontos emblemáticos dessa exposição que já foi apresentada no Rio e em Brasília. Logo na entrada do CCBB, uma instalação cenográfica é formada por uma grande cama sonora, na qual os visitantes, deitados, podem escutar o som de palavras de diversas origens que foram incorporadas na formação da língua portuguesa. Além disso, ao redor da cama, objetos, alimentos e matérias-primas simbolizam o tema do comércio, que, por sua característica de conectar mundos diferentes e se associar à língua, é também fonte geradora da cultura.A exposição, em diversos segmentos, traça a história de Portugal e suas influências para se tratar, enfim, da cultura que chegou até o Brasil, colônia portuguesa. A mostra, portanto, que ocupa todo o CCBB, perpassa, em cerca de mais de uma centena de peças de diversas instituições, o período que vai da pré-história até o momento das navegações, quando Portugal, uma potência no século 16, se lançou ao mar para descobrir o Novo Mundo. ''É curioso que, entre 1500 e 1530, migraram para cá os que poderiam ser caracterizados como os perdedores, era uma viagem apenas de ida. Eles trouxeram uma cultura que não florescia mais em Portugal, que tinha passado há pouco pela Inquisição'', conta ainda Dantas. A exposição, resultado de dois anos e meio de trabalho, foi concebida com nove curadores portugueses - Jorge Couto, Ivo Castro, Cláudio Torres, Luís Raposo, Conceição Lopes, Santiago Macias, Paulo Almeida Fernandes, Maria José Ferro Tavares e José Custódio Vieira da Silva. É curioso que em cada um dos núcleos da mostra há projeções da imagem inteira dos pesquisadores em que eles explicam os temas abordados nos segmentos. Além disso, documentos e escritos também estarão disponíveis para consultas mais adensadas.Um dos pontos principais da cultura lusitana e que também se refletiu na brasileira - mas por motivos diversos - é a miscigenação. O segmento da mostra abrigado no subsolo, e dedicado às influências religiosas de Portugal, é o mais expressivo nesse sentido, ao tratar do judaísmo, do islamismo e do cristianismo medieval, e também exibir uma fase pré-histórica e politeísta do período em que terminava o Império Romano.Cada uma dessas referências é destacada por cores diferentes dentro da cenografia (azul para o islâmico, representando a água como fonte espiritual; preto para o judaico, remetendo à necessidade de se esconder e se proteger dos judeus ; vermelho para a violenta incursão cristã no país; e verde para o período politeísta e clássico com as representações de elementos vegetais). A primeira e representativa peça desse núcleo é o Bocal do Poço de Silves, dos séculos 12/13, de arenito vermelho, tem em suas oito faces ornamentos em relevos com símbolos árabes e uma Estrela de Davi. ''É uma metáfora básica da história de Portugal, que remete à convivência poética entre os dois povos nesse bocal para compartilhar a água'', afirma Dantas. A religião islâmica chegou à Região Sul de Portugal por volta do ano 711 e, como diz ainda o idealizador da mostra, a primeira diáspora dos judeus foi para a Península Ibérica, onde permaneceram por 1.400 anos.Entre outros destaques, estão no segundo andar algumas peças históricas, como a grande estátua de Guerreiro Calaico em granito, do século 1º; o torque de ouro, adorno usado pelos guerreiros; e mosaico do século 6º, da cidade portuguesa de Mértola, restaurado e trazido especialmente para a mostra.Serviço Lusa: A Matriz Portuguesa. Centro Cultural Banco do Brasil. R. Álvares Penteado, 112, Centro, 3113-3651. 3.ª a dom., 10 h às 20 h. Grátis. Até 7/9

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.