Fredy Vieira
Fredy Vieira

Petição quer reabertura da exposição 'Queermuseu' no Santander Cultural

Advogada gaúcha classifica cancelamento da mostra como 'arbitrário' em pedido protocolado na Justiça

André Cáceres, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2017 | 17h42

Uma petição protocolada na Justiça do Rio Grande do Sul demanda a imediata reabertura da exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira e o impedimento de seu desmonte até a data previamente estabelecida para o término da mostra, 8 de outubro.

A mostra, que estava em cartaz desde o dia 15 de agosto no Santander Cultural, em Porto Alegre, foi cancelada pela instituição no dia 10 de setembro após alguns protestos em redes sociais.  

A responsável pelo pedido é a advogada gaúcha Juliana Campos, para quem a exibição deve ser reaberta no Santander Cultural, e não em outro espaço: "A exposição, como um conjunto de obras de arte, tem uma característica única e complexa de debater o tema a que se propõe. Não há possibilidade de replicar, com exatidão, por exemplo, esta mesma exposição em outro museu ou galeria", afirmou ao Estado. "Dessa forma, ainda que fosse possível transpor a mostra Queermuseu para outra localidade, jamais seria possível ter a exata experiência que se teria ao visitar a exposição no Santander Cultural, pois ela foi elaborada para aquele lugar, naquele espaço e tempo."

Leia na íntegra a petição

Na petição, Juliana afirma que o cancelamento da exposição por parte do Santander Cultural "mostra-se em desacordo com a Constituição Federal, que garante o direito à cultura, à liberdade de expressão e assegura a anulação de atos lesivos ao patrimônio cultural", classificando o ato como arbitrário. "Seguindo este caminho, nos tornaremos uma sociedade conservadora, onde o diferente não tem lugar", acredita a advogada. 

No pedido feito à Justiça, a advogada demonstra conhecimento acerca das obras, explicando, por exemplo, que os desenhos de Bia Leite, Travesti da Lambada e Deusa das Águas (2013), foram inspirados em relatos pessoais em um site "onde são postadas fotografias enviadas pelos próprios leitores, que brincam com o fato de, desde cedo, questionarem sua sexualidade". 

O cancelamento da exposição gerou protestos, e grupos contrários e favoráveis à mostra se manifestaram em frente ao Santander Cultural. O secretário de cultura de Belo Horizonte Juca Ferreira deu a entender que a Queermuseu poderia reabrir na capital mineira. 

A petição foi encaminhada ao juízo que despachou um pedido semelhante, em ação popular protocolada por Gustavo Kratz Gazalle. "Visitar a exposição estava nos meus planos, mas infelizmente não pude concretizá-lo, por conta deste encerramento abrupto", lamentou Juliana Campos.

Mais conteúdo sobre:
ArteSantander

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.