Pensador reflete sobre a dinâmica da amizade

Amizade e liberdade têm ao menos um ponto em comum: todos sabem o que são, mas encontram dificuldade de definir uma e outra. O filósofo e psicanalista francês Jean-Bertrand Lefebvre Pontalis não teme o desafio. Nos 20 capítulos de Le Songe de Monomotapa, misto de romance e ensaio, Pontalis reflete sobre o peso da amizade na vida humana. Por que ela surge e de repente se dissolve? O que faz com que algumas pereçam facilmente à passagem do tempo e outras resistam com intensidade crescente ao longo dos anos? Elas servem para proteger os indivíduos dos tormentos do amor? Correspondem, enfim, à definição de La Fontaine, para quem "um amigo verdadeiro é como algo doce"?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.