Pelo poder, e charme, de Wolverine

Astro de X-Men, Hugh Jackman está no Rio para divulgar novo filme da série

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

07 de maio de 2009 | 00h00

O ator australiano Hugh Jackman tem muitos motivos para sorrir: seu novo filme, X-Men - Origens: Wolverine, vazado e disponibilizado na internet um mês antes da estreia, é um blockbuster mundial; em 2008, foi eleito o homem mais sexy do mundo; aonde quer que vá, é cercado por fãs aficionados por quadrinhos e por ele... Jackman demonstrou estar mesmo feliz da vida na entrevista dada ontem de manhã, no Hotel Copacabana Palace, no Rio, para divulgar o filme. Bem-humorado e simpaticíssimo, não se incomodou ao se ver cercado por uma horda de repórteres-fãs, que pediram autógrafos e dispararam suas máquinas fotográficas e celulares ao fim da coletiva.Começou falando, ensaiadinho, as poucas palavras que aprendera em português: "Bom dia. Estou muito feliz de estar no Brasil."Mesmo com cara de sono, mostrou jogo de cintura ao fazer piadas e embarcar nas palhaçadas do CQC (Rafinha Bastos lhe deu de presente um CD do cantor Nasi, ex-Ira!, "o Wolverine brasileiro") e do Pânico na TV (Sabrina Sato, que já o havia "entrevistado" no México, fez perguntas caprichando no inglês tosco e foi "cortejada" pelo ator, que mencionou seu nome várias vezes e disse que ela seria capaz de transpor as defesas de Wolverine).Jackman garantiu que fará mais um filme da bem-sucedida série, desta vez Wolverine Contra o Samurai de Prata. O roteiro ainda será escrito. "Os fãs querem muito ver essa história. É a que eu mais quero contar", disse o ator, que se considera "abençoado" pela oportunidade de viver o anti-herói da Marvel no cinema.O público parece mesmo não se cansar de Wolverine. Nos Estados Unidos, este X-Men arrecadou US$ 35 milhões no dia da estreia; no Brasil, onde foi lançado há uma semana, fez mais de um milhão de espectadores nos primeiros dias. Foi o maior lançamento de um filme da Fox por aqui. Jackman agradeceu a preferência: "Vir ao Brasil é algo que todo australiano adora fazer. É um dos meus lugares favoritos no mundo", afirmou, para depois elogiar a beleza das brasileiras, "as mulheres mais bonitas do mundo", e nossa comida (adora churrascaria e, na noite de terça-feira, comeu tanta carne no Porcão que depois dormiu "pesado").Carismático ao extremo, brincou ao falar sobre a tal condição de "homem mais sexy vivo". "É que eu tenho só seis meses de vida!", minimizou. "Teria sido mais útil quando eu tinha 21 anos. Eu tenho usado isso em casa, mas não me levou muito longe", continuou o ator, que completou 40 no ano passado, com o corpão melhor do que nunca. Nada de crise de meia-idade. "Talvez eu esteja me iludindo..." Casado, fez questão de falar da mulher várias vezes durante a entrevista - o que provocou suspiros nas repórteres presentes ("lindo, simpático e, ainda por cima, bom marido!")Perguntaram-lhe o segredo para fazer a voz gutural do mutante - um banho frio de manhã, para provocar raiva. Sobre o encontro com o jogador Ronaldo, no Centro de Treinamento do Corinthians, ontem: "Já fiz o Wolverine, apresentei o Oscar, mas agora, sim, meus amigos vão me odiar." Qual superpoder queria ter? "O teletransporte." Projetos futuros? Vai refilmar o musical clássico de Rodgers & Hammerstein Carousel, com Anne Hathaway (eles têm experiência no ramo, como se viu no Oscar). O fraco de Wolverine? "Mulher bonita."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.