AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO
AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO

Bienal de Veneza terá obras audiovisuais para discutir cultura brasileira

Projeto do pavilhão brasileiro, de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca e escolhido pelo curador Gabriel Pérez-Barreiro, dialoga com o tema do evento italiano, que será aberto em maio

Pedro Rocha, Especial para o Estado

21 de dezembro de 2018 | 03h00

Depois de atuar como o curador-geral da 33.ª Bienal de São Paulo, que chegou ao fim do início do mês, o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro foi anunciado, oficialmente, como o curador da participação brasileira na 58.ª Exposição Internacional de Arte, a Bienal de Veneza. A escolha foi anunciada, em conjunto, pela Fundação Bienal de São Paulo, o Ministério da Cultura e o Ministério das Relações Exteriores nesta sexta-feira, 21. 

Para o Pavilhão do País em Veneza, Pérez-Barreiro tomou algumas decisões. “Não queria repetir um artista da 33.ª Bienal e o Brasil tem uma tradição interessante de não escolher, para o Pavilhão, artistas já bem consagrados e em final de carreira”, explica o curador, em entrevista ao Estado. Além disso, Gabriel preferiu apostar no trabalho de apenas um artista, e não uma exposição coletiva. 

O artista escolhido por ele, na verdade, foi uma dupla, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, que já trabalham juntos desde 2013, no Recife, com a produção de obras audiovisuais que utilizam a música para discutir temas de religião, classe, gênero e raça na cultura brasileira. “Já conhecia o trabalho deles há bastante tempo, tanto da Bárbara como fotógrafa, quanto dos dois como filmmakers”, diz Gabriel. “Eles têm um olhar muito interessante para a cultura brasileira, que não chega a ser antropológico, mas é bem próprio e sutil, sobre fenômenos da sociedade atual e sobre como as pessoas querem se expressar.”

A brasiliense Bárbara Wagner e o alemão Benjamin de Burca já estavam desenvolvendo um novo trabalho quando receberam o convite de Pérez-Barreiro. A dupla ainda não pode adiantar muita coisa do projeto porque, segundo eles, o resultado final pode variar de acordo com o processo de desenvolvimento. “Estamos em processo de pesquisa e demora bastante tempo. Nos encontramos com muitas pessoas e a metodologia é muito definidora do que os filmes vão apresentar”, explica Wagner. “Se a gente sente uma urgência em trabalhar determinados assuntos, nos aproximamos de pessoas que são atores dessas questões e junto com elas desenvolvemos esse processo.”

Mais uma vez, é provável que o trabalho da dupla tenha foco em artistas populares, com foco no próprio Recife. A pesquisa, segundo eles, vai até o final de janeiro, para filmagens já no final de fevereiro.

Tema central. Nesta 58.ª edição, a Bienal de Veneza tem como tema central May You Live In Interesting Times (Que você viva em tempos interessantes), escolhido pelo curador-geral Ralph Rugoff para discutir questões como a pós-verdade e as fake news, por fazer alusão a uma frase falsamente atribuída a uma maldição inglesa. Apesar de nenhum país ser obrigado a seguir o mesmo direcionamento, coincidentemente, a obra de Wagner e de Burca, na opinião de Pérez-Barreiro, faz um diálogo com o tema. “Para mim, o trabalho fala da ambiguidade da autorrepresentação e como a mídia permite uma maior visibilidade a culturas, digamos assim, marginalizadas.”

Os artistas concordam que há uma relação com o tema central. Para de Burca, todo o trabalho da dupla tenta mostrar qual é o pensamento de diferentes pessoas. “O mundo está ficando mais binário, muita gente não sabe o que os outros estão pensando”, ele acredita. “Vivemos numa bolha de redes sociais, o trabalho tem como proposta de desenvolvimento mostrar que o mundo tem vários níveis, é mais complexo, nem tudo é binário.” Wagner lembra que a dupla sofreu críticas por conta disso ao apresentar o trabalho Terremoto Santo, que mostrava cantores evangélicos. “Para muitas pessoas, o fato de a gente se aproximar daqueles artista só poderia ser deboche ou propaganda.” 

A 58.ª Exposição Internacional de Arte, a Bienal de Veneza, será aberta ao público em 11 de maio e segue até o dia 24 de novembro de 2019. A participação brasileira na Bienal de Veneza é uma iniciativa conjunta entre o Ministério da Cultura, o Ministério das Relações Exteriores e a Fundação Bienal de São Paulo. Em nota, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, destacou o reconhecimento da “excelência” das exposições apresentadas no Pavilhão do Brasil. “Isso só é possível com a união de esforços dessas três instituições que, com todas as especificidades de suas vocações, compartilham de um mesmo projeto.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.