Paulinho da Viola encara formato acústico da MTV e grava especial

Trabalho será lançado em outubro e deve render DVD, CD e programa na emissora

Adriana Del Ré, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

O cantor e compositor Paulinho da Viola cedeu aos flertes da MTV e acaba de entrar no rol dos artistas que passam pelo Acústico MTV. Zeca Pagodinho, que também é do samba, gostou tanto da experiência que lançou dois trabalhos do gênero, em parceria com a emissora musical. Mas como o samba, por si só, é acústico, Paulinho só precisou pegar seu show habitual e adaptar pouca coisa ao formato do projeto.Pouca coisa de fato: o repertório é basicamente o mesmo que o cantor e compositor gosta de apresentar nos espetáculos e os músicos são os que o acompanham. A diferença ficou por conta do cenário e do reforço nas cordas, com a entrada de violinos.As gravações foram realizadas na terça e quarta-feira desta semana, no Novosestúdios, nas proximidades da Ceasa, zona oeste de São Paulo, para um público de convidados. Paulinho chegou por aqui com sua turma no domingo, de ônibus. Outra parte da equipe passou aperto na terça com o cancelamento de vôos vindos do Rio e precisaram, às pressas, pegar uma van.Na terça, Paulinho já estava tranqüilamente instalado na cidade. O frio paulistano o fez tirar o paletó do guarda-roupa. Discreto, entrou sob aplausos, pegou o cavaquinho e iniciou as gravações de seu Acústico MTV com um clássico dele e Hermínio Bello de Carvalho, Timoneiro. ''''Não sou eu quem me navega, quem me navega é o mar...'''', cantou, só para esquentar.Emendou em outras de suas belas composições: Coração Leviano e Amor É Assim. Trocou o cavaquinho pelo violão e, no dilacerante Para um Amor no Recife, foi seguido por todo o arsenal de sopros, cordas e percussão. A platéia, que já acompanhava em coro baixinho as canções, não se agüentou em Dança da Solidão - popularizada na voz da cantora e amiga Marisa Monte - e soltou a voz de vez.Um pequeno tropeço de Paulinho em Pecado Capital, outro de seus clássicos. ''''Não entrei'''', avisou. E começaram de novo. Em projetos como este, gravar a mesma música uma, duas, três vezes é perfeitamente normal. A platéia não reclamou, apesar dos freqüentes pedidos de desculpas do cantor quando via necessidade de ''''refazer'''' a canção. Necessidades técnicas e do próprio Paulinho, conhecido por seu perfeccionismo. Ele mesmo não esconde esse traço de personalidade: por isso, pode demorar muito tempo para escrever uma composição. Os parceiros têm de ter paciência, como teve Eduardo Gudin. Na terça, Gudin foi conferir a gravação, mas não fez participação especial. Estava na platéia como convidado. Paulinho tocou Ainda Mais, parceria dos dois, mas, no fim dela, achou que a conduziu rápido demais. Consultou o parceiro na platéia e diante da confirmação dele, a repetiu. Paulinho adora contar histórias durante os shows. Histórias de parcerias, de bastidores. ''''Esse samba eu fiz com o Eduardo Gudin. Levou muito tempo para fazer. Não por culpa dele, mas por minha, que demorei para botar letra'''', ironizando seu tempo para fazer as coisas.Um esquecimento da letra aqui, uma paradinha para afinar o violão acolá. ''''Às vezes, a gente tem de dar uma afinada por causa da mudança de temperatura'''', explicou. E o público parecia continuar a adorar toda aquela repetição. Só com a canção Só o Tempo, foram cinco tentativas. O barulho de uma máquina de fazer fumaça o desconcentrou. No partido-alto Argumento, foram outras cinco. ''''Oba!'''', gritou alguém quando ele estava indo para a terceira tentativa. Sem participações especiais, o Acústico MTV - Paulinho da Viola deve ser lançado pela Sony-BMG em outubro, e se desdobrar em DVD, CD e especial na MTV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.