Para os leais ''súditos'', ver a rainha pop não tem preço

O primeiro da fila driblou a Prefeitura e acampou por 11 dias; outro fã gastou R$ 1.700 só em ingressos

Gabriel Pinheiro, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2008 | 00h00

Foram 11 dias acampados para ver Madonna do melhor lugar, no setor VIP do Morumbi. A saga do administrador Alexandre Fernandes, de 30 anos, e outros 11 amigos começou no dia 8. Todos de São Paulo, eles montaram barracas e revezaram-se para driblar as dificuldades, incluindo uma ordem da Prefeitura que pedia o fim do acampamento em torno do estádio. "Durante o dia, desmontávamos as barracas. À noite, não havia fiscalização", contou Fernandes. Desta forma, eles conseguiram o primeiro lugar na fila para assistir à primeira apresentação da cantora em São Paulo em mais de 15 anos - no último show, em 1993, o administrador também estava presente.O bancário Pedro Vituzzu, de 24 anos, é outro exemplo de ?súdito? leal da rainha do pop. "Gastei mais de R$ 1.700 em ingressos, estou assistindo a todos os shows na área VIP", afirma ele, que viu as apresentações do Maracanã na grade, de cara com a popstar. Indagado se o esforço e o investimento valiam a pena, o fã não hesita: "É claro. Não sabemos quando ela volta." Com ele, está o estudante Douglas Kollet, de 23 anos, que veio de Varginha (MG) para ir aos três shows de Madonna na capital paulista. "Foram cinco horas de viagem e R$ 1.100 em ingressos", disse Kollet, que contou ainda que tem uma coleção de mais de 300 itens da popstar, entre CDs, LPs e revistas. "Não vendo nada, a coleção não tem preço. Madonna é única."PROTESTOSA confusão para a compra dos ingressos não foi esquecida pelos fãs no dia do show. Um grupo de quatro amigos levou cartazes com xingamentos à T4F - responsável pela venda das entradas - e a mensagem: "Apesar de tudo, estamos aqui". O analista turístico Mário La Torre Filho, de 27 anos, pintava a faixa, enquanto contava sua maratona para adquirir o bilhete para a área VIP. "Era o primeiro da fila da bilheteria do Ibirapuera, fiquei lá por quatro dias. Quando começou a vender, fui informado de que não havia mais entradas para a ala VIP. Tive de ficar mais dois dias em outra bilheteria, no Anhembi."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.