Panorama segue o contraditório

Co-curador da Bienal prepara próxima exposição do MAM

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2001 | 00h00

O pernambucano Moacir dos Anjos está envolvido neste ano numa série de projetos. Depois de sair, em dezembro, do cargo de diretor do Museu de Arte de Recife, ele voltou ao seu posto de pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, instituição a que está ligado desde 1989. Além de ser um dos co-curadores da 6ª Bienal do Mercosul e de estar preparando, com o crítico Paulo Sergio Duarte, a participação do Brasil na feira espanhola Arco 2008 (quando o País será o de destaque), Moacir dos Anjos também é o curador da próxima edição do tradicional Panorama da Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo, que será inaugurado no dia 20 de outubro.   Veja galeria de fotos da Bienal do MercosulO Panorama da Arte Brasileira, criado em 1969, vem desde a década de 1990, quando passou por reestruturação e a ser bienal, se dedicando a refletir sobre a arte brasileira contemporânea. O Panorama de Moacir dos Anjos terá como título a palavra Contraditório.''''Desde os anos 90 minhas questões de interesse são os temas da identidade, do local e do global. Visitando os ateliês de artistas, notei que algumas questões estão muito presentes em seus trabalhos, como as idéias de inacabamento, repetição, a fragilidade, a imobilidade, a precariedade'''', diz Moacir em Porto Alegre. Ele conta que usou como pano de fundo a chamada poética da gambiarra para fazer sua leitura sobre a produção brasileira. ''''Ao mesmo tempo que a gambiarra expressa a originalidade para resolver uma situação de adversidade e nossa capacidade de adaptação quanto à situação difícil, ela também expressa a subordinação brasileira à incapacidade de o País lidar com problemas básicos'''', afirma o curador. Enfim, o Brasil é lugar de contradição, refletida na arte até de uma maneira melancólica como poderá sugerir a exposição.A mostra terá a participação de 28 artistas e do grupo Chelpa Ferro (formado por Luiz Zerbini, Barrão e Sergio Mekler). Foram selecionados: Barrão, Brígida Baltar, Cínthia Marcelle, Débora Bolsoni, Delson Uchôa, Efrain Almeida, Gil Vicente, João Modé, Laura Belém, Laura Lima, Lucia Koch e Gabriel Acevedo, Luiz Braga, Marcelo Silveira, Marcellvs, Marcius Galan, Marepe, Marilá Dardot, Martinho Patrício, Matheus Rocha Pitta, Milton Marques, Paulo Nenflídio, Rivane Neuenschwander, Rogério Canella, Vânia Mignone e Waléria Américo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.