NILTON FUKUDA/ESTAD?O
NILTON FUKUDA/ESTAD?O

Painel de Tarsila do Amaral retrata antiga tradição religiosa

Pintado em 1954 para a inauguração da Oca, 'Procissão' foi restaurado e será exposto no Centro Cultural São Paulo

Eduardo Gayer, especial para o Estado

22 de março de 2019 | 03h00

Em um país de tradição católica como o Brasil, o feriado de Corpus Christi tem importância histórica. Procissões sobre tapetes coloridos costumam marcar a data, que celebra o corpo e o sangue de Cristo. 

Foi tal costume religioso que perpassa os séculos que inspirou a renomada pintora Tarsila do Amaral a criar o painel Procissão, pintado a óleo, e agora restaurado. Ele será reinaugurado nesta sexta-feira, 22, no Centro Cultural São Paulo, dentro do contexto do mês da mulher. A iniciativa foi patrocinada pelo Art Conservation Program

A obra foi criada especialmente para a Exposição Histórica de São Paulo, que em 1954 inaugurou a Oca, projeto de Oscar Niemeyer no Parque Ibirapuera, em comemoração ao quarto centenário da capital. De grandes dimensões – 2,52 metros por 7,04 metros –, pertence à Coleção de Arte da Cidade de São Paulo e representa uma procissão de Corpus Christi do século 28. 

Aracy Amaral, em seu livro Tarsila — Sua Obra e Seu Tempo, situa Procissão na carreira da artista. “E estudando a paisagem que já tanto pintara, Tarsila, aos poucos, se encaminha para uma fase que denominamos, a partir de 1950, de ‘neopau-brasil’: povoados, casario, paisagens do interior” (Amaral, 1975, p. 355).

Com o uso de cores vivas, foi o último painel de Tarsila. “Pela primeira vez, embora agora numa fase de estilização convencional num colorido muito seu, embora menos vibrante e mais suavizado, Tarsila se vê num trabalho mural.”

Autora de Abaporu, pintura brasileira mais valorizada do mundo das artes, Tarsila do Amaral é figura central da primeira fase do movimento modernista do Brasil. Nascida em 1º de setembro de 1886, em Capivari, interior de São Paulo, foi uma das responsáveis pela Semana de Arte Moderna de 1922, que revolucionou a arte brasileira. Morreu aos 86 anos, no dia 17 de janeiro de 1973, na capital paulista. 

Serviço. Procissão permanecerá em exposição no Centro Cultural São Paulo de 22 de março a 5 de maio, de terça a domingo, das 10h às 22h, no seguinte endereço: Rua Vergueiro, 1000, bairro Paraíso. A entrada é gratuita. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.