Gabriela Biló / Estadão
Gabriela Biló / Estadão

Painel de Di Cavalcanti está à venda por R$ 20 milhões

Exposta na SP-Arte 2019, obra de cores vivas foi pintada no México e atualmente pertence a colecionador brasileiro

Eduardo Gayer, especial para o Estado

05 de abril de 2019 | 03h00

Um dos destaques da SP-Arte 2019, o painel Bumba Meu Boi chama a atenção de quem passa. Para além de estar em local privilegiado – junto a um dos primeiros estandes do Pavilhão da Bienal –, suas dimensões impressionam: são cinco metros de comprimento e um e noventa de largura. 

Quem ainda não conhece a obra chega mais perto e descobre: trata-se de um fidedigno Di Cavalcanti. Pertencente a um colecionador privado e exposto sob consignação pela Galeria Almeida e Dale, está à venda para o público que frequenta o festival. O valor? 20 milhões de reais. 

"A obra atraiu muita gente, é um destaque da feira. Por aqui, só hoje, já passaram peruanos, chilenos etc.", conta Antonio Almeida, sócio-proprietário da instituição que leva seu sobrenome. 

Pintado em 1960, durante uma das passagens do autor pelo México, Bumba Meu Boi é um dos muitos painéis produzidos pelo artista durante a década, marcada pelo encontro entre a arte e a arquitetura modernistas. A obra foi premiada com medalha de ouro na II Bienal Interamericana e já foi destaque no festival Art Rio 2018.

“Di Cavalcanti sempre teve uma cerca vocação muralista”, afirma a curadora Denise Mattar. “É uma vertente estilística mais voltada a preencher amplos espaços, com traços mais largos. Isso acaba dando ondulação para o trabalho dele”, completa. 

O público-alvo de um quadro como Bumba Meu Boi são colecionadores privados, que desejam ter uma obra renomada em casa e criar um bom acervo pessoal. O hábito costuma ser de família e carregar a história de várias gerações. 

Biografia do pintor. O carioca Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu em 1897 e tornou-se um dos nomes mais importantes do movimento modernista brasileiro. Junto a outros artistas como Tarsila do Amaral e Anita Malfatti, idealizou a Semana de Arte Moderna de 1922. 

Conhecido como Di Cavalcanti, tem a carreira marcada por obras de engajamento social, retratando trabalhadores e periféricos como expressões daquilo que chamava de ‘brasilidade’. Entre suas principais obras, estão Mulatas (1928) e Cinco Moças de Guaratinguetá (1930). 

Foi filiado ao Partido Comunista do Brasil (PCB)e perseguido durante o Estado Novo, quando refugiou-se temporariamente em Paris. Morreu em 1976. 

Tudo o que sabemos sobre:
sp-arteDi Cavalcanti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Netflix divulga as 5 séries internacionais preferidas do público brasileiro
  • Após afastamento, Laura Cardoso deve voltar às gravações de 'A Dona do Pedaço' nesta semana
  • Maria Joaquina de 'Carrossel', Ludwika Paleta posta foto com filho e recebe elogios de fãs
  •  Lollapalooza Brasil 2020: confira o line up por dia 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.