Ostentação nuclear

A Any Bourier, jornalista brasileira que mora há anos em Paris e viajou muito pelo Extremo Oriente, tem um livro pronto sobre a Coreia do Norte, o país mais excêntrico que já visitou. Agora que a Coreia do Norte está no noticiário com sua ostentação nuclear e seus curiosos hábitos políticos, seria o caso de publicarem o livro para pelo menos nos ajudar a entender que país é esse, e o que ele pode aprontar. Li que a sucessão do atual líder Kim Jong-il, que está doente, já foi decidida: o sucessor será seu filho menor Kim Jong-un, cuja principal credencial para o cargo é sua semelhança física com o pai. O filho do meio, Kim Jong-chol, nem teria sido cogitado porque é muito feminino. E o mais velho, Kim Jong-nam, a escolha natural para continuar a dinastia que governa o país há anos, desgostou o pai quando arranjou um passaporte forjado para entrar com um nome falso no Japão, pois queria conhecer a Disneylândia local. Aparentemente, o próprio pai decidiu que dar mísseis nucleares para o Kim Jong-nam brincar seria um pouco demais. A Coreia do Norte é o primeiro novo membro do clube nuclear em muitos anos. Mesmo com toda a sua estranheza e imprevisibilidade, é improvável que use seus mísseis em ataques à Coreia do Sul ou ao Japão, os inimigos mais à mão, a não ser que os Kim Jongs queiram se suicidar. Ameaças muito maiores ao sossego do mundo são os arsenais nucleares da Índia e do Paquistão, que vivem em estado de guerra. E para bombas nucleares do Paquistão caírem eventualmente em mãos do Taleban e da Al Qaeda só falta a eventualidade.A impressão que se tem é que as armas nucleares da Coreia do Norte fazem parte mais de uma megalomania teatral do que de qualquer estratagema mais doido. Como o carro de luxo usado só para dar a volta na quadra e provocar inveja nos vizinhos. EMPATIASentimos tragédias como o do avião da Air France com uma empatia mais dolorosa porque podemos imaginá-las, porque já as imaginamos muitas vezes. Nada na nossa experiência nos permite saber como seria morrer num tsunami, por exemplo, ou num ato de guerra. Claro que a morte de qualquer ser humano, em qualquer circunstância, nos toca, mas é mais terrível a morte que nos faz pensar: podia ser eu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.