Os pastores da miséria

Entra governo, sai governo, a cada pesquisa do IBGE, a mesma pergunta se repete: Maranhão e Alagoas têm os piores índices de desenvolvimento humano do Brasil porque têm os piores políticos, ou será o contrário? Certeza, só de que maranhenses e alagoanos, gente como Ferreira Gullar, Joãosinho Trinta, Graciliano Ramos, Hermeto Pascoal, Djavan, não são melhores nem piores do que gaúchos, mineiros ou cariocas, são só diferentes. E a diversidade é a nossa maior qualidade.Quase 60% das populações desses dois Estados sobrevive do Bolsa Família. Outros Estados têm políticos tão ruins, ou até piores do que os de Alagoas e do Maranhão, mas conseguem progredir, apesar deles. Qual é o mistério? Será que só corrupção, patrimonialismo e incompetência explicam tudo? É pouco, para tanto dano.São regiões de natureza exuberante, de grande riqueza histórica e cultural, com imenso potencial turístico e áreas cultiváveis que os sem-terra como Israel e o Japão transformariam em Califórnias tropicais. São Estados muito pobres, lamentam-se os seus políticos muito ricos, sempre culpando o processo histórico e os governos anteriores. Será que faltaram verbas e incentivos para Maranhão e Alagoas com Sarney e Collor no poder? Será que Sarney e Renan Calheiros, como cardeais do lulismo, não usam sua força política para alavancar verbas para seus Estados? É o que esperam maranhenses e alagoanos. Mas a miséria continua, enquanto o resto do Brasil cresce.Nesses casos, os tucanos não podem gritar que é culpa do PT, que não governou nem um nem outro. Nem os petistas vão dizer que eles estão assim por culpa do neoliberalismo, quando a maior parte do País progrediu. Nem o Zé Dirceu vai acusar "a direita". A culpa não é dos comunistas, nem dos americanos, nem de Deus.Como diria Wilson Simonal, nem vem que não tem. A conversa mole do preconceito não cola: o caso é mesmo de mau conceito, em números e fatos. Os amigos maranhenses e alagoanos sabem melhor do que ninguém do que estou falando. Mas ainda não sabem desvendar o mistério e quebrar o encanto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.