Os desafios da próxima edição

Jantar destinado a arrecadar verba para mostra agregou apoios decisivos, como o do Governo Federal

Maria Hirszman, O Estadao de S.Paulo

03 de setembro de 2009 | 00h00

Com mais de 500 pessoas presentes, o jantar organizado na noite de terça para arrecadar verba para a Bienal de São Paulo foi marcado por um clima de otimismo. Experimentando um modelo de maior envolvimento - e responsabilização - da elite financeira para com suas instituições culturais, a nova direção da entidade procurou demarcar claramente a linha divisória entre o passado, de escândalos e crises, e o momento atual. Uma espécie de choque de gestão com o objetivo de sanear a casa e viabilizar novos caminhos para a instituição cinquentenária.

Além da venda dos convites, a R$ 2,5 mil cada um, a Bienal também conseguiu apoio decisivo do Governo Federal. Abrindo as comunicações da noite, o ministro Juca Ferreira foi muito aplaudido ao anunciar que estava destinando R$ 4 milhões para o custeio da reforma do prédio, primeiro dos muitos desafios concretos a serem enfrentados pela nova administração. Ausência de saídas de incêndio, inadequação às normas internacionais de exposição estão entre algumas das dificuldades que se pretende resolver com a reforma. Mas o maior desafio que se coloca para a equipe que assume a instituição é a de conseguir conciliar a necessidade de se criar um modelo de longo prazo com a meta de realizar uma mostra de impacto, ainda no próximo ano.

Como, em tão curto prazo, conseguir solucionar problemas graves como a "crise de identidade, o desgaste da imagem, as restrições orçamentárias, o envelhecimento do modelo de gestão" - todos tópicos relacionados pelo presidente Heitor Martins durante sua exposição -, reformar o prédio e ainda conseguir abrir em 21 de setembro de 2010 uma Bienal que ajude a recolocar o País no pelotão de destaque das grandes mostras internacionais? Esta talvez fosse, além das expressões de alívio, a principal questão colocada pelos colecionadores, galeristas, gestores culturais e artistas que transitavam pelo imponente vão central do prédio criado por Niemeyer e transformado num sofisticado salão de jantar e lounge por Felippe Crescenti (responsável por todo o projeto gráfico da Bienal a partir de agora).

E poucas foram as pistas fornecidas pelos conselheiros, direção e equipe curatorial até o momento. Do ponto de vista organizacional, Martins estabeleceu algumas metas: atingir 1 milhão de visitantes, manutenção da entrada gratuita, fortalecimento do projeto educativo (a cargo de Stella Barbieri, responsável pelo mesmo setor no Instituto Tomie Ohtake), internacionalização da mostra e criação de uma plataforma para o desenvolvimento da arte contemporânea. Já o projeto curatorial ainda não está pronto, ou está sendo mantido a quatro chaves, com os convidados tendo direito apenas a declarações bastante genéricas sobre a importância da arte por parte do curador Moacir dos Anjos.

Do ponto de vista estratégico, talvez a fala de maior relevância tenha sido a importância atribuída por ele à necessidade de um planejamento de longo prazo, de definição de um perfil de ação para a Bienal que não se atenha à organização esporádica de exposições. "A Bienal não é um evento só", afirma Laymert Garcia, que assume uma das direções da Bienal como representante do Ministério da Cultura e que vê com grande entusiasmo a sintonia entre as duas instituições.

Nem tampouco é um evento exclusivo de um determinado grupo. Seja por meio do apoio, financeiro e simbólico, da burguesia, seja pela conquista da simpatia dos artistas, a tentativa de ampliar o círculo de debates é evidente. O marchand Peter Cohn disse jamais ter visto um grupo de investidores ligados à arte tão bem representado (segundo a organização, os convites acabaram em 20 dias). E também chamou atenção a estratégia de convidar 50 nomes de destaque da arte contemporânea, por intermédio do patrocínio do Banco Fibra, que assumiu o custo dos convites.

A artista Nazareth Pacheco, que já trabalhou em várias bienais, é uma defensora incondicional da nova direção. Assim como o curador do Masp, Teixeira Coelho, que afirmou estar presente ao jantar não como representante da instituição na qual trabalha, mas sim para testemunhar seu apoio pessoal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.