Os cuidados e os prazeres do exercício da leitura

Membro da Académie Française (Academia Francesa de Letras) e colaborador do importante Journal des Débats, Émile Faguet (1847-1916) se consagrou com sua obra crítica tanto literária quanto teatral. Em A Arte de Ler, traduzido por Adriana Lisboa, Faguet defende o argumento de que o ato de ler é essencialmente a arte do pensar com cuidado e esmero. Na obra, ele discute a diferença entre livros de ideias e livros de sentimento, além de falar sobre a apreciação de peças teatrais. Também trata da condição especial exercida pelos poetas. Não foge da análise sobre escritores obscuros ou considerados ruins. Aponta para os inimigos da leitura. E discorre ainda sobre o prazer existente nas releituras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.