Olhares de um eterno caminhante

Cristiano Mascaro exibe na Galeria Nara Roesler mostra com imagens que fez em cidades brasileiras e estrangeiras

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Para Cristiano Mascaro não importa fazer o retrato literal da realidade: as cidades - seu tema preferido, dentro dele, a metrópole São Paulo - se traduzem em imagens em preto e branco feitas a partir de recortes de lugares que ele fotografa com sua câmera. "É a expressão plástica da cidade que me move a fotografá-la, não quero descrevê-la", diz o fotógrafo, que acaba de inaugurar na Nara Roesler sua primeira exposição comercial em uma galeria brasileira. A mostra Fotografar Como Caminhar reúne 23 imagens inéditas, cerca de metade delas, bem recentes, feitas entre 2008 e 2009, e fotografias mais antigas, da década de 1980 em diante, que Mascaro encontrou em seu amplo arquivo. "Revendo meu depósito encontrei imagens que por uma ou outra razão haviam ficado de lado, muitas delas nem mesmo tinham sido ampliadas", conta.É uma pureza de formas, na atmosfera do clássico preto e branco - inspirado nas visões de desde criança de uma São Paulo cinzenta e dos filmes da Nouvelle Vague e do Cinema Novo - que sempre chama a atenção nas fotografias contemplativas de Cristiano Mascaro. Indo atrás não de uma poética, mas de uma luminosidade que ele consegue destacar dos lugares do mundo, a grande força do trabalho do fotógrafo, hoje, com 64 anos, sempre foi e é a de colocar tão bem em suas imagens a sobreposição da geometria da cidade com sua face humana, tal uma citação que ele faz do escritor Italo Calvino. Por isso não é certo dizer que ele é estritamente um formalista, tampouco um prisioneiro da "ditadura da luz", como reforça.Da herança de suas aulas na década de 1960 na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, Mascaro voltou seu olhar para o traço arquitetônico, para as cidades, unindo a isso seu lado "caminhante" que capta os "cenários" que o emocionam. "Em 1975, quando a Aracy Amaral, então diretora da Pinacoteca, me convidou a realizar para o museu a série Bom Retiro e Luz, ela me disse para não fazer um trabalho estetizante e isso me marcou muito", reforça o fotógrafo, nascido em Catanduva.Assim, é mais uma vez do olhar especial de Mascaro sobre tantas cidades de que trata essa exposição na Galeria Nara Roesler, com curadoria de Agnaldo Farias. É claro que São Paulo se torna a grande estrela, mas há ainda fotografias feitas no Rio (no Jardim Botânico), em Salvador e Maceió, por exemplo e, como novidade, já que Mascaro sempre exibe fotos de cidades brasileiras, imagens realizadas em Tóquio, Roma e Lisboa. ServiçoCristiano Mascaro. Galeria Nara Roesler. Avenida Europa, 655, tel. 3063-2344. 10 h/19 h; sáb., 11 h/15 h (fecha dom. e 2.ª). Até 20/6

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.