Obrigado por Fumar mostra como controlar a informação

O ato de fumar tornou-se, ao menos no cinema, um assunto sem glamour - a indústria da chamada sétima arte investe cada vez mais pesadamente contra o tabagismo. Basta lembrar O Informante, de Michael Mann, que revela os bastidores condenáveis dos empresários do fumo. É o caso também de Obrigado por Fumar, comédia de Jason Reitman (o mesmo do simpático Juno) que o Telecine Light exibe hoje às 20h15.Aaron Eckhart (o político da atual versão de Batman) vive Nick Naylor, porta-voz chefe de uma fábrica de cigarros, que vive um dilema: ao mesmo tempo em que deve passar uma imagem benéfica do cigarro, ele tenta posar de modelo adulto para seu filho de 20 anos. Dono de uma retórica convincente, bem apessoado, Naylor consegue convencer diversas platéias de que não há provas químicas que garantem ser o câncer do pulmão, por exemplo, conseqüência de uma existência marcada pelo vício do fumo.Inspirado no romance homônimo de Christopher Buckley, Obrigado por Fumar traz, como subtexto, o poder do controle da informação. E, correndo por fora, a importância da responsabilidade paterna na formação dos filhos, que se espelham nas atitudes dos mais velhos.

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

28 de julho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.