Kirsty Wigglesworth/Associated Press
Kirsty Wigglesworth/Associated Press

Obra mais cara de Leonardo da Vinci está desaparecida; entenda

'Salvator Mundi', arrematado em 2017 por US$ 450 milhões, havia sido anunciado pelo Louvre Abu Dhabi, mas a exposição não ocorreu

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 14h55

Cerca de um mês após o histórico leilão em que o quadro Salvator Mundi, atribuído a Leonardo da Vinci, mas cuja autoria permanece em discussão, foi arrematado anonimamente por US$ 450 milhões, em novembro de 2017, o museu Louvre Abu Dhabi anunciou que havia adquirido a obra para exposição, sem entrar em detalhes se a transação havia sido um empréstimo, doação ou venda. No entanto, a mostra, marcada para setembro de 2018, não ocorreu, e não se sabe o paradeiro da obra.

Apesar da polêmica em torno da autenticidade - há debate se Salvator Mundi, que data de cerca de 1500, foi pintado pelo próprio Leonardo ou por um de seus aprendizes -, a tela se tornou a peça de arte mais cara da história. 

O jornal The New York Times apurou que os funcionários do Louvre Abu Dhabi não sabem onde a pintura estaria, e que o Louvre de Paris também não conseguiu localizar Salvator Mundi, de acordo com fontes anônimas.

O comprador da obra em 2017, soube-se mais tarde, era alguém próximo ou um possível representante do governante da Arábia Saudita, o príncipe Mohammed bin Salman.

A exposição da obra, marcada para setembro de 2018 e cancelada sem explicações, era aguardada pelo circuito de arte para marcar os 500 anos da morte de Leonardo da Vinci, em maio de 2019.

Tudo o que sabemos sobre:
Leonardo da Vinciartes plásticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.