Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Scott Winkelmann / AFP
Scott Winkelmann / AFP

Obra digital do artista Beeple é vendida por US$ 69,3 milhões

A obra intitulada 'Everydays: The First 5,000 Days', uma coleção de desenhos e animações feitos durante 5.000 dias consecutivos, coloca Mike Winkelmann, o nome real de Beeple, entre os três artistas mais caros do mundo em vida

Agências, AFP

11 de março de 2021 | 15h59

NOVA YORK, EUA - Uma colagem do artista americano Beeple, um pioneiro do mercado de arte virtual, foi vendida por 69,3 milhões de dólares, um recorde para uma obra digital - anunciou a casa de leilões Christie's, nesta quinta-feira, 11. 



A obra intitulada Everydays: The First 5,000 Days, uma coleção de desenhos e animações feitos durante 5.000 dias consecutivos, coloca Mike Winkelmann, o nome real de Beeple, entre os três artistas mais caros do mundo em vida, em todos os suportes.

No final de fevereiro, outra de suas obras, Crossroads, foi vendida por 6,6 milhões de dólares (dos quais Beeple recebeu 10%) na plataforma Nifty Gateway, especializada em obras virtuais.

E uma animação que ele vendeu no final de outubro por um dólar simbólico foi recentemente comprada por 150 mil dólares 

No entanto, Winkelmann não é um excêntrico criado pelo mercado de arte. Designer, começou em maio de 2007 a obra Everydays, e agora está já há 5.062 dias consecutivos. A obra leiloada nesta quinta-feira reúne o resultado do que produziu até o dia 5.000. 



Por 14 anos, o artista conseguiu cerca de dois milhões de seguidores no Instagram e colaborou com grandes marcas e músicos famosos, atraídos por seu universo gráfico, mas sem vender nenhuma obra em seu nome. 

Porém, em poucos dias, uma nova tecnologia o colocou em órbita, tornando-o no mundo um dos artistas mais na moda. 

Essa tecnologia possibilita a comercialização de obras, e quase tudo que se possa imaginar, na internet, de álbuns de música a tweets de personalidades, no formato de "NFT", ou "token não fungível" (por sua sigla em inglês). 

O mecanismo, criado em 2017, envolve qualquer objeto virtual com identidade, autenticidade e rastreabilidade, em teoria indiscutíveis e invioláveis, por meio da tecnologia chamada "blockchain", usada para criptomoedas como o bitcoin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.