O trompetista é o embaixador

Nomeado representante cultural de New Orleans, Irvin Mayfield encabeça festival no Ibirapuera

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

15 Agosto 2008 | 00h00

Uma das figuras mais influentes do jazz norte-americano da atualidade, o trompetista Irvin Mayfield, de apenas 30 anos, é a grande estrela da 6ª edição do Bourbon Street Fest, que será apresentado no Rio e em São Paulo a partir deste final de semana. Além dele, os grupos folclóricos Dwayne Dopsie e Mahogany Blues e o pianista Henry Gray, um mito do blues, estão na programação. Irvin Mayfield é hoje uma espécie de ponto de referência para grande parte dos novos jazzistas americanos, principalmente por causa de seu trabalho como educador - ele é o diretor-artístico das orquestras de jazz de New Orleans e da Chandler Orchestra do Arizona e, desde o mês passado, também da Minnesota Orchestra. Também é diretor da Biblioteca Municipal de New Orleans, onde organiza a bibliografia existente sobre o gênero e faz um levantamento historiográfico do jazz. Ele não pára: em julho, um astro hollywoodiano, Jude Law, esteve no show de Irvin Mayfield em New Orleans para acompanhar seu trabalho e também discutir detalhes de uma trilha sonora que o jazzista está compondo para o seu próximo filme. Tudo isso seria suficiente para mantê-lo ocupado por um bom tempo, mas não é só: Mayfield também coordena o projeto de construção, em New Orleans, do National Jazz Center, um plano de US$ 700 milhões que vai erguer no centro da cidade - berço do gênero - uma instituição referencial para a música da cidade. O prédio já tem um projeto arquitetônico suntuoso, realizado pelo celebrado arquiteto Thomas Mayne. "O jazz é nossa mais abundante fonte natural de recursos no Sul dos Estados Unidos. O centro vai catalisar e estimular a revitalização da economia de New Orleans, na qual o jazz tem papel central", diz o músico. Quem ouve isso pensa que Mayfield é um homem de uma seriedade abissal, um engravatado discursivo. Nada disso: musculoso, vaidoso, sempre de tênis e camiseta, Mayfield é um músico que sabe que o elemento prazer é fundamental na constituição jazzística. E ele conduz a New Orleans Jazz Orchestra com raro refinamento e senso dionisíaco - seja tocando standards ou spirituals ou reinventando clássicos, como fez este ano com Somebody Forgot to Turn the Faucett Off ("Alguém esqueceu de fechar a torneira"). "Para a gente lembrar o que acontece quando chove em New Orleans", ele brincou, meio a sério, lembrando a inundação que quase destruiu a cidade, trazida pelo furacão Katrina. Na tragédia, Irvin perdeu o pai, que morreu afogado. Sua luta então se tornou, além de tudo, muito pessoal. Ele não admite que se repitam as cenas daqueles dias terríveis, que macularam um dos legados culturais mais importantes da América. Ao lado da militância na política cultural, ele vai fazendo sua história. Nos anos 90, ele foi indicado para um prêmio Grammy pelo trabalho com o grupo Los Hombres Calientes, uma incursão pelo jazz afro-cubano e caribenho que empreendeu ao lado de colegas ilustres, como o baterista Jason Marsalis, do clã Marsalis. Este ano, ele voltou ao clã Marsalis, mas foi direto ao patriarca, o pianista Ellis Marsalis. Juntos, gravaram o disco Love Songs, Ballads and Standards, no qual reinventa canções muito conhecidas, como Yesterday, de Lennon e McCartney. "Quando eu mostrei essa canção a Ellis, pedi a ele que me desse algumas sugestões para melhorá-la, mas ele ouviu e disse: está ótima, vamos gravar assim mesmo." Mayfield chega à cidade acompanhado de um quinteto, que tem Neal Caine no baixo (um músico de New Orleans mesmo); Vincent Gardner no trombone (de Chicago, é um dos músicos do Jazz at Lincoln Center); Jaz Sawyer na bateria (vem da Bay Area de São Francisco) e Ronald Markham ao piano (já tocou também com Los Hombres Calientes). Serviço Bourbon Street Fest Palco Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, portão 10, Parque do Ibirapuera. Sáb. (16), a partir das 15h30. Grátis Palco Bourbon Street. R. dos Chanés, 127, 5095-6100. 3.ª a 5.ª, 21h30; 6.ª (22) e sáb. (23), 22h30. R$ 60/R$ 75 (dom. 11 h - R$ 185). Palco Street. R. dos Chanés, 194. Dom. (24), 16 h. Grátis Instituto Baccarelli. Estrada das Lágrimas, 475, Sacomã. Hoje, 16 h - workshop com Irvin Mayfield

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.