O professor francês, dançando com a música

O jeitinho brasileiro ajuda a evitar confrontos como o da escola francesa

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2009 | 00h00

"Não basta despejar conteúdos para cumprir metas e alimentar estatísticas tranqüilizadoras", reflete Anna Blandina, uma das professoras que viram o filme Entre os Muros da Escola, de Laurent Cantet, na sessão de sábado do Clube do Professor, no Arteplex, em São Paulo. "Mais do que a lousa cheia de informações, sinto que a minha função na sala de aula é de motivadora. Não vou conseguir ensinar tudo o que as crianças e os adolescentes necessitam para se aparelhar para o mundo. O que eu posso é abrir uma porta para eles e esperar que prossigam."Todos os professores ressaltaram o que lhes pareceu o básico - a diferença física da escola francesa e da brasileira, na qual trabalham. ?Aqui, não existe uma escola pública como a do filme. É tudo mais detonado." A questão da disciplina dentro da sala de aula também bateu forte nos professores locais. Lincoln Shedd considera a disciplina essencial. "O jovem tem de trabalhar com certos limites." Beatriz Andrade Silva encara ceticamente a disciplina. "É muito raro encontrarmos alunos respeitosos dentro da sala de aula. Dou minha aula da melhor maneira possível, mas já desisti de dar conselhos, como as professoras da minha infância e adolescência faziam. A garotada é que me dá conselhos. Dizem todo dia, a toda hora, ?Professora, a senhora devia fazer assim, assado...? É muito desgastante."O modelo do filme é democrático? Em relação aos filmes de escola onipotentes de Hollywood, em que professores autoritários põem nos eixos turmas de alunos baderneiros, sim. Mas e a realidade? Francisco E.S. Rotonclaro discute o preparo do professor. "Enfrentamos situações daquelas todos os dias na sala de aula. Podem ser resolvidas com um pedido de desculpas. Acho que a grande diferença é que, aqui, a gente se envolve mais com os alunos. O jeitinho brasileiro acredita mais na afetividade dentro da sala de aula." Talvez por ser professora de expressão corporal, Ana Figueiredo achou muito interessante o comportamento do professor, que vive dançando conforme a música. Mas ela não vê democratismo nenhum na escola francesa. Uma coisa que a impressionou muito foi a observação de um professor de que determinado aluno é ausente na sala de aula, que não participa etc. No final, todos lhe parecem ausentes, e não apenas a menina que vai dizer ao professor que nada aprendeu (mas isso não a impede de também participar da festa de encerramento). "O garoto, Suleymane, é excluído e, no final, alunos e professores confraternizam numa partida de futebol. Só que aquilo é uma falsa harmonia, uma falsa interação. A expulsão de Suleymane vai marcar a todos eles para sempre, mesmo que não verbalizem."No final da sessão, muitos professores saíam rapidamente, alegando compromissos, sem querer falar. Sem parar, caminhando e desabafando - "Coloca que meu nome é Maria" -, uma professora concluiu que o filme é muito forte e muito importante. "Não importam as diferenças culturais nem de espaço físico. O filme coloca a questão da responsabilidade do professor e do aluno. O professor pode ser bem-intencionado, mas ele sabe que não agiu bem e tenta consertar. A corda rebenta do lado mais forte, e é o do garoto. Nunca vou me esquecer de Suleymane nem na mãe dele. A altivez daquela mãe. É a única vez em que ela fala francês no filme. Agradece e vai embora. Para mim, não foi só um filme, foi uma lição de vida. Acho que vou viver muito tempo Entre os Muros da Escola."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.