O primeiro Oscar de William Wyler, estilista sem estilo

William Wyler, o chamado estilista sem estilisto, ganhou três vezes o Oscar de melhor diretor da Academia de Hollywood. O primeiro prêmio foi por Rosa da Esperança, Mrs. Mininer, de 1942. Quatro anos mais tarde, ele recebeu outro por Os Melhores Anos de Nossas Vidas e, em 1959, veio o terceiro, por Ben-Hur. Justamente Rosa da Esperança é a atração de hoje do TCM, às 14 horas.Greer Garson encarna a sra. Miniver e a atriz também foi contemplada com o prêmio da academia por sua criação como a dona de casa inglesa que enfrenta a guerra, lutando para manter a família unida. Wyler foge ao espetáculo e olha a guerra desde o interior, como uma experiência cotidiana e dolorosa. O cineasta combatera o nazi-fascismo como documentarista, no front. Com a ficção de Rosa da Esperança, garantem os historiadores de cinema, contribuiu para a união anglo-americana contra Hitler (e o Reich).Wyler nunca foi uma unanimidade. Seu gosto pelo realismo social e pela análise psicológica dividia os críticos. Rosa da Esperança é um de seus filmes mais discutidos. Mais do que os temas, o uso da profundidade de campo é que dá unidade à obra. Teresa Wright, como a filha, ganhou o Oscar de coadjuvante.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.