O pretenso filósofo

Ano em que prestei o primeiro vestibular, 1977. Eu deveria escolher a carreira no formulário da Fuvest, consciente de que o pequeno xis seria determinante para o resto da vida. Que importância dão a um mísero rabisco...Como sempre fui bom em matemática, frequentei as aulas de Exatas. Mas minhas opções eram conflitantes: engenharia agrícola, seguindo uma tradição e pressão familiar, jornalismo e filosofia. Já tinha desistido de ser bombeiro, caminhoneiro e jogador de futebol anos antes.Alguém vive de filosofia, sustenta a família, leva os filhos à Disney? Para decepção da professora de filosofia, Malu Montoro, que lia para a classe meus trabalhos de lógica aristotélica e fazia a minha cabeça para me tornar um exótico colega, escolhi engenharia. Mesmo ciente de que matemática e filosofia nasceram juntas - os primeiros pré-socráticos, Tales de Mileto e Pitágoras, eram matemáticos, sendo que o segundo chegou a definir o mundo como uma sequência numérica; para ele, os números explicavam tudo.Me descreveu a amiga Sandra Fasolo, filósofa: "Os filósofos estão na sua maioria sempre se arrastando existencialmente, eles sofrem de depressão ontológica e sofrem também de estresse metafísico."Me identifiquei completamente. Ou confundia minhas aspirações com as crises existenciais de um adolescente? Fora que eu não tinha barba nem túnicas para ingressar nessa carreira delirante.Fui para a Unicamp estudar engenharia. Estudar fora é a melhor maneira de sair de casa e ainda ser financiado para romper o cordão.Minha primeira morada foi numa pensão perto da ferroviária. Eu dividia o quarto com dois colegas do colégio, Cassino, da Antropologia, e Zequinha, físico-filósofo.Passávamos as noites discutindo a origem das coisas, debruçado sobre Heráclito, o grego que inverteu a filosofia e afirmou que "tudo é um", e os opostos são iguais. Heráclito era a droga mais pesada que consumíamos.Zequinha tretou com a dona da pensão. Filósofos enlouquecem até donas de pensão. Num surto, ela ameaçou botar fogo no sobrado, jogou querosene na escada, acendeu um fósforo e nos avisou aos gritos que, se não saíssemos em minutos, viraríamos cinzas. Voamos com nossas trouxas, livros e enigmas e nos mudamos para a pensão ao lado.Nos primeiros meses, dormimos num quarto com seis beliches. A pensão era completa - café da manhã e jantar inclusos. Quem servia era a filha do dono, uma moça de roupas e unhas negras, olhar agudo e sedutor de uma existencialista francesa, que ilustrou minhas fantasias.A pensão só tinha um banheiro. E uma fila matinal nele. Quantas vezes não tomei banho no tanque do quintal, sob o frio campinense? Enfiava as pernas, depois os braços, depois a cabeça, vigiado pela garota de unhas negras, que me aguardava cantando, para lavar as roupas de cama.No beliche ao lado, dormia um pedreiro que reformava o prédio da Química do campus, onde os alunos produziam LSD e a polícia encontrou pés de maconha no pátio interno.Nunca trocamos mais do que duas palavras: "Bom dia." Descíamos juntos as ladeiras do centro. No entanto, eu ficava no ponto de carona. Ele pegava o busão. Interessante como a divisão de classes cria rituais próprios, que aumentam a distância entre elas.Calma. Não virara marxista. Procurava ainda desvendar os textos de 2.500 anos antes e entender os pré-socráticos, escrevendo cadernos e cadernos com pensamentos filosóficos, me exibindo para a misteriosa garota de unhas negras, ignorando os livros de Cálculo Diferencial e Resistência dos Materiais.Em algumas tardes, eu encontrava o pedreiro trabalhando com seus colegas, já que a lanchonete da Química era a única cujo PF vinha com ovo. Nos cumprimentávamos educadamente. Ele já não usava a roupa de antes, mas um macacão sujo de tinta; que provavelmente a existencialista não lavava.À noite, ele já dormia pesado, quando eu entrava confuso pelos paradoxos de Zenão - e enciumado, pois as mãos com unhas negras tiravam os pratos e desprezavam as minhas.Engenharia, como as existencialistas, era um fardo. Comecei, como Parmênides, a desenvolver minha veia poética. Escrevi letras de música. Tocava violão até amanhecer, no quarto do subsolo, onde moravam dois peruanos bolsistas da Unicamp, Miguel e Manuel, que contrabandeavam prata, cocaína e vendiam badulaques, que confeccionavam, em feiras hippies do interior do Estado.Cheguei a ir com eles em algumas feiras. E tocava minhas músicas, de poncho peruano e com a boina no chão, para ganhar os primeiros trocados com meus pensamentos inconcludentes.Acabei me mudando para o quarto dos peruanos com Cassiano, que também aprendia violão e virou parceiro.Havia alguns pontos de carona na saída da cidade. Às vezes, esperávamos horas. Com sorte, em poucos minutos, parava alguém. Um caronista, eu sabia, precisava desenvolver conversas, pois quem dá carona quer papear até o destino. Como um sofista, aprendem-se os mais diversos assuntos. Atormentei muitos motoristas com paradoxos e discussões sobre a origem do Universo.Certa vez, parou um carro importado, chique, com ar condicionado. Me dei bem, pensei. Era um senhor de idade. Provavelmente, um dos professores estrelas da universidade. Perguntei o que ele fazia, assim que engatou a primeira. "Sou filósofo", respondeu. Fiquei mudo, perplexo e encantado pela ousadia. Invejei-o.Desisti da Engenharia Agrícola no fim do terceiro ano. Depois de conhecer a "vaca rolha" da Esalq, tradicional escola de agronomia de Piracicaba; uma vaca com um buraco no estômago, tapado por uma rolha do tamanho de um prato de sopa, para termos acesso direto ao aparelho digestivo da pobrezinha e medirmos, com o uso de microscópios, a ração que era digerida e a sobra.Assim, em nossas fazendas, com nossas pick ups, esposas loiras e saradas, cheias de joias, jeans apertados, botas até o joelho e chapéu country, nos perguntando se compramos ingressos para o imperdível show de Bruno & Marrone, distinguirmos com exatidão aquilo que é digerido daquilo que é prejuízo. E ouvi a voz: "Vai, Marcelo, ser gauche na vida." Leia também o blog de Marcelo Rubens Paiva em http://blog.estadao.com.br/blog/marcelorubenspaiva

Marcelo Rubens Paiva, O Estadao de S.Paulo

23 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.