O novo poder negro norte-americano

Barack Obama para presidente, Will Smith rei de Hollywood e Hancock como o super-herói dos tempos de crise

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

05 de julho de 2008 | 00h00

Aos 20 anos, como cantor de hip-hop, sob o pseudônimo de Fresh Prince, Will Smith virou milionário. Aos 21, estava arruinado, graças ao comportamento extravagante que o fez, por exemplo, comprar os seis carros mais caros do ano para ostentar em sua garagem. O próprio Smith ironiza. Diz que não seguiu o conselho do pai, que lhe perguntava para que tantos carros, se só tinha uma b... para sentar. Mas estava escrito que ele permaneceria astro - na TV e no cinema. Nos EUA, Will Smith adquiriu a fama de ''Sr. 4 de Julho''. Lançados em conexão com a grande data da independência norte-americana, Independence Day e Homens de Preto arrebentaram. O fracasso de Wild Wild West colocou-o em guarda e Smith admite que foi por medo que entrou na onda das continuações - Bad Boys 2 e Homens de Preto 2.Os sucessos acumularam-se, mas foi com um relativo fracasso de público - Ali, de Michael Mann - que ele adquiriu respeitabilidade (e provou que era bom). A imprensa dos EUA diz que é o ''Rei'' de Hollywood. Will Smith já estourou no começo do ano com Eu Sou a Lenda, mesmo que a ficção científica adaptada do livro cult de Richard Matheson não fosse nota 10. Ele está de volta agora com Hancock. O filme, estreado na quarta nos EUA, para antecipar-se ao feriado de 4 de julho (ontem), bateu na estréia o recorde de Iron Man, que detém o acumulado do ano.Logo no começo de Hancock, Will Smith está deitado num banco, completamente bêbado. Parece um sem-teto, e é. Mas é um sem-teto dotado de poderes excepcionais, um super-herói que não tem consciência da própria força e provoca mais desastres do que finais felizes na sua tentativa de praticar o bem. No encosto do banco está escrito - ''Move toward your dream'' (Persiga seu sonho). É o tema de Hancock, mas que o herói só vai atingir por meio da renúncia (leia ao lado). O sonho também pode ser outro. Hollywood já conheceu outros superastros negros, de Sidney Poitier a Richard Pryor e Eddie Murphy, que também arrebentaram nas bilheterias (mais do que o respeitável Denzel Washington). Mas nenhum atingiu, por tanto tempo, a posição desfrutada por Will Smith.O reinado de Will Smith coincide com um dado político. Pela primeira vez, um negro - Barack Obama - pode chegar à Presidência dos EUA, cargo que os afro-americanos só ocuparam na ficção (Morgan Freeman em Impacto Profundo, por exemplo). Nunca, como nos últimos anos, tantos negros foram indicados para (ou ganharam) o Oscar. Só de atores tivemos Denzel (duas vezes), Jamie Foxx, Halle Berry, Jennifer Hudson. A primeira a ganhar o cobiçado prêmio, Hattie McDaniel, foi muito criticada por construir o estereótipo da criada negra no clássico ...E o Vento Levou, de 1939. Hattie - que não pôde assistir à pré-estréia do filme em Atlanta, por causa das leis raciais vigentes na Geórgia - defendia-se, provocando. Dizia que era melhor ser doméstica em filmes de Hollywood, ganhando US$ 700 por semana, do que na vida, onde não passaria de US$ 7. De Hattie McDaniel a Will Smith e Barack Obama é uma longa história de mudança, provavelmente não tão radical quanto sonhavam os lendários revolucionários Panteras Negras nos anos 60, mas muito real, de qualquer maneira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.