O metal a serviço da feminilidade

O ritmo do estilista Reinaldo Lourenço é acelerado. Com passos rápidos, ele vai e vem de sua sala para a das costureiras inúmeras vezes, durante as 12 horas diárias de trabalho que tem tido nas semanas que antecedem o lançamento da coleção. Ao lado das bordadeiras e costureiras, ele confere o acabamento de cada um dos 41 looks que apresenta na quarta no SPFW. "Talvez seja a coleção mais trabalhosa que já fiz", avalia Reinaldo Lourenço, que criou a sua marca há 26 anos. "Alguns modelos têm 850 pedaços e levam dez dias para ficarem prontos", revela o estilista. Os ?pedaços? a que ele se refere são paetês do tamanho de uma foto 3 x 4 desenhados especialmente para a marca e costurados milimetricamente em diferentes plaquinhas de tecido, resultando num efeito de escama metálica.O metal, aliás, substitui no próximo inverno a porcelana que serviu de inspiração em sua última coleção: "A porcelana insinuava uma mulher que se quebrava, frágil. Agora, o metal representa uma mulher mais sólida, dura", conta. Mas a principal "fonte" de Reinaldo são as formas dos objetos de decoração dos anos 20 e 30, o jazz e a arquitetura nova-iorquina da época: "A silhueta está mais seca, algumas têm a forma de uma torre, outras são mais evasês, como no look que aparece nesta página."Em cores densas e escuras, Reinaldo trabalha tanto as texturas naturais, como a da zibelina, quanto as que ele cria com nervuras ou juntando tecidos leves e pesados na mesma peça. "As peças têm não só a forma arquitetônica como também a construção." Luxo? Sim, dentro da concepção de Reinaldo: "É o luxo de hoje, redefinido, que significa qualidade. As pessoas não querem comprar qualquer coisa. Tem muita roupa no mundo - muita roupa boba. As pessoas querem coisas especiais. Luxo é qualidade e cuidado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.