O menino Kaíque, agora com 14 anos, rouba a cena

Como o caçula Reginaldo, ele faz toda a diferença no elenco

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

03 de setembro de 2008 | 00h00

Sandra Corveloni, que faz a mãe em Linha de Passe, foi melhor atriz no Festival de Cannes, em maio. No filme, ela tem quatro filhos e está grávida do quinto. A família é multirracial, como a de Era Uma Vez, de Breno Silveira, outro filme brasileiro já em cartaz nos cinemas e no qual a mãe também encara sozinha o desafio de criar os filhos. Todos os garotos de Linha de Passe são ótimos (leia a entrevista na página seguinte), mas um deles rouba a cena. Em busca do pai, que supõe ser um motorista, Reginaldo, o caçula, rouba um ônibus e sai pela cidade de São Paulo. Kaíque Jesus Santos tinha 12 anos quando fez o filme. Aos 14, ele poderá muito bem ser a surpresa e a revelação de Linha de Passe. Veja o trailer do filme Linha de Passe "Eu freqüentava uma ONG do Capão Redondo quando me falaram dos testes para o filme. Fomos dois garotos tentar a sorte e eu fui selecionado", ele conta. O trabalho de preparação do elenco foi feito por Fátima Toledo, a figura já mítica que tem estado por trás das câmeras, preparando atores para algumas das obras mais significativas do cinema brasileiro atual. Fátima havia feito isso para Hector Babenco em Pixote e voltou a fazer para Fernando Meirelles em Cidade de Deus. Depois disso, não parou mais."A preparação foi para que a gente vivesse e se considerasse como uma família mesmo. Inclusive, fomos viver na casa das filmagens, antes que elas começassem." A cena-chave, quando Kaíque dirige o ônibus, exigiu muita preparação. "Eu andava muito de ônibus pela cidade e ficava olhando os motoristas. Na hora, eu sabia como fazer, mas, como nas auto-escolas, havia um instrutor logo atrás de mim que poderia parar o ônibus, se fosse necessário." Walter Salles e Daniela Thomas basearam-se numa história real para construir a ficção do garoto que rouba o ônibus. Em Cannes, a cena foi aplaudida em cena aberta. Kaíque é tão talentoso quanto Darlan Cunha e Douglas Silva, que estouraram em Cidade de Deus e depois fizeram Cidade dos Homens na TV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.