O máximo com o mínimo

O Banheiro do Papa, de Enrique Fernández e Cézar Charlone, é prova de que, com talento, o menos pode ser mais. É um filme simples, desenvolvido a partir de uma idéia singela, mas que produz efeito no espectador. Na fronteira do Uruguai com o Brasil, um desempregado encontra o que ele julga ser uma maneira criativa de ganhar algum dinheiro com a visita do papa João Paulo II. Vale ver.

O Estadao de S.Paulo

14 de outubro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.