O dia em que Wilder exagerou na vulgaridade

Grande diretor, como sempre foi, Billy Wilder tem alguns filmes polêmicos, para dizer-se o mínimo. Poucos se atrevem a elogiar Cupido Não Tem Bandeira, que ele fez em 1961, após o Oscar de Se Meu Apartamento Falasse, ou então Beija-me Idiota, que se seguiu a Irma la Douce, de 1963. Beija-Me Idiota (Kiss Me Stupid) passa hoje às 14h05 no Telecine Cult. Dean Martin faz cantor mulherengo que fica preso numa pequena cidade, onde dupla de compositores tenta lhe vender suas músicas. Para chegar ao cara, substituem a mulher de um deles por garçonete vulgar (Kim Novak, gloriosa). Os críticos dizem que Wilder, para criticar a mediocridade da vida norte-americana, não precisava ter sido tão vulgar. Mas ele foi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.